Como fazer a gestão de riqueza da sua empresa?

Como fazer a gestão de riqueza da sua empresa?

A gestão de riqueza é uma engrenagem fundamental para o sucesso e bom funcionamento de qualquer empresa. É a base para o desenvolvimento de todos os demais departamentos, a fim de manter a qualidade de produção. Entretanto, não é uma tarefa tão fácil assim, pois envolve conhecimento sobre controle de patrimônio e gestão de ativos. Acompanhe este manual para descomplicar de vez a gestão de riqueza, saber tudo sobre patrimônio e ativos e alavancar sua empresa.

De antemão, o conceito de riqueza de uma empresa relaciona-se com questões patrimoniais, ou seja, o que é retido. Além dos bens que compõem o patrimônio, os direitos e obrigações também englobam o setor da riqueza empresarial. Direitos esses, que são os valores que a corporação deve receber, como promissórias ou valores depositados em bancos de terceiros. E obrigações são entregues a terceiros, como pagamentos ou restituições.

Gestão de riqueza e controle de patrimônio

Falando em patrimônio, uma estratégia quase infalível para a gestão de riqueza de uma empresa é apostar e atentar-se ao controle de patrimônio. Esse controle é um processo contábil que garante  credibilidade e segurança ao setor empresarial. Seguindo essa linha de pensamento, realizar o controle de patrimônio significa encarregar-se do gerenciamento de todo o patrimônio retido pela empresa.

Aderir ao controle de patrimônio garante ao empresário mais segurança no ramo financeiro. Assegura aos gestores acesso às informações cruciais e determinantes para tomada de decisões e, assim, redução de riscos e incertezas financeiras. Além disso, empresas que possuem a gestão e controle de patrimônio em dia, acabam ganhando credibilidade em seu mercado de atuação, atraindo interesse e atenção de possíveis investidores e, potencialmente, de clientes também.

Vale lembrar que a legislação brasileira obriga o exercício de controle de patrimônio para todo e qualquer empresário independente de seus portes, por meio de atividades contábeis. Desse modo, as empresas devem encarar o controle patrimonial como uma grande oportunidade para compreender melhor suas necessidades e utilizá-lo de modo estratégico na manutenção e gestão de suas riquezas.

A importância da gestão de ativos

Uma gestão de riqueza empresarial bem-feita também passa pela gestão de seus ativos. Compreender o que são ativos e seus destinos e finalidades também é fundamental para a regulamentação patrimonial e manuseio das riquezas de uma corporação. Não apenas para fins contábeis, mas também para maior entendimento do potencial de geração rentável e de lucro da empresa.

Em linhas gerais, os ativos de uma empresa são tudo que por ela é retido e controlado, representam onde os recursos e bens da empresa foram aplicados. Os ativos são necessariamente resultados de transações passadas que podem ser convertidos em fundos monetários, visando benefícios econômicos.

A gestão de ativos vem ganhando popularidade e pode ser aplicado para um modelo de mudanças dentro de uma corporação. Realizar a gestão de ativos é um ganho multilateral, tanto para os administradores e gestores dos bens da empresa, quanto para o trabalhador que lucra com essa prática. Lucro esse que não será necessariamente monetário, mas sim com um ambiente de trabalho, tarefas e direitos mais organizados e seguros.

O conjunto de métodos que circundam a gestão de bens relaciona-se com o uso cada vez mais notório da tecnologia. Com ela, torna-se possível o rastreamento da movimentação dos bens empresariais, aqueles que fazem parte do processo produtivo.

Além disso, deve-se enfatizar a importância da realização de um inventário empresarial para a gestão de riquezas. Essa prática é um dos principais pontos da sistematização de uma gestão de patrimônio.

Para a realização de um inventário voltado para empresas, é imprescindível manter os dados e informações dos bens atualizados, uma vez que esse tipo de conteúdo retido é o que vai dar direcionamento e maior facilidade a qualquer decisão que venha a ser tomada dentro do ambiente empresarial. Ademais, o papel de um inventário de empresa também é fornecer suporte para outras áreas de atuação da corporação; um passo definitivo para o sucesso profissional.

O que é a maximização de riqueza?

Após o entendimento do universo que engloba ações para gestão de riqueza de empresas, um conceito vem à tona: o de maximização de riqueza. A maximização da riqueza é, sem dúvidas, um dos grandes objetivos de qualquer corporação e é consequência desejada em qualquer processo de gestão de riqueza empresarial.

Para maior entendimento do tema, é necessário a diferenciação de dois termos: lucro e riqueza. Comumente esses dois conceitos podem parecer semelhantes e até causar dúvidas comprometedoras para um momento de investimento.

Lucro

Entende-se por lucro o poder e a capacidade de uma corporação de aumentar seus ganhos, no momento em que os ganhos são maiores que os investimentos, e limita-se aos aspectos monetários.

Riqueza

Já quando falamos de riqueza, compreende-se que é o que se acumula em bens e direitos, a capacidade de aumento de valor agregado nas ações de uma empresa no mercado.

Sendo assim, os objetivos empresariais estão voltados para a maximização de lucros mas também, e principalmente, para a maximização de suas riquezas. É importante frisar que maximizar os lucros é o caminho para conseguir maximizar a riqueza, e desse modo atingir o sucesso de sua empresa e gerir de maneira consciente e eficaz as riquezas e o patrimônio.

A CPCON tem constantemente auxiliado empresas de consultoria e gestão financeira com as soluções de gestão de ativos e avaliação, bem como fazendo Valuation (Avaliação Financeira) de empresas e negócios. Quer saber mais? Consulte-nos!

Este post tem 2 comentários

Deixe uma resposta