Etiqueta RFID para controle de Estoque e Inventario

A cada dia surgem novas tecnologias para auxiliar as empresas de diversos setores, assim como seus consumidores. Dentre elas, destaca-se a etiqueta RFID, principalmente quando há o uso da etiqueta RFID para controle de estoque.

Identificar produtos para controlar o estoque é uma atividade recorrente e comum seja em comércios ou em fábricas. Ou seja, empresas do ramo varejista, de bens de consumo ou prestadoras de serviço com foco em desenvolvimento, compras e distribuição precisam ter um controle de estoque eficaz.

Dessa forma, para auxiliar na gestão de estoque, novas tecnologias surgiram e, dentre elas, estão a utilização da etiqueta RFID para controle de estoque. Essas que estão, cada vez mais, substituindo os códigos de barra e QR codes.

No entanto, não é só para esses segmentos empresariais que a etiqueta RFID é usada. Essa nova tecnologia é empregada em meios de transporte, pedágios e instituições robóticas e espaciais.

As etiquetas RFID para controle de estoque fazem parte do sistema de identificação por radiofrequência, também intitulado de sistema RFID. Esse sistema, que se compõe por etiquetas, antenas e leitores, utiliza de ondas eletromagnéticas. E isso com o objetivo de acessar todos os dados armazenados em um chip.

Assim, o sistema RFID se constitui em identificar produtos e serviços de maneira rápida e fácil ao ler e transmitir informações. Com essa tecnologia, as empresas conseguem rastrear seus produtos e integrar os dados a outras plataformas.

Conheça mais sobre as etiquetas RFID, como essa tecnologia funciona e a importância e ajuda delas na parte logística das empresas. Portanto, veja a importância da etiqueta RFID para controle de estoque.

O que é a tecnologia RFID?

A tecnologia RFID, do inglês Radio Frequency Identification, é a responsável pela transmissão de informações por radiofrequência.

Essa tecnologia tem sua origem na Segunda Guerra Mundial, e meados da década de 40. Várias nações, como Alemanha, Estados Unidos, Japão e Inglaterra, usava, sistemas de radares no qual auxiliavam na identificação da aproximação de aviões. Além disso, essa tecnologia contribuía com a comunicação via rádio.

Com o passar do tempo, o sistema RFID acompanhou as evoluções tecnológicas e, assim, evoluiu também.

Dessa forma, o RFID se popularizou e cada vez mais é utilizado em diversos segmentos. Tudo isso por conta da sua facilidade e capacidade de leitura à longa distância, o que culmina na redução de custos e diminuição de desperdícios.

Quais são os principais elementos constituintes de um sistema RFID?

Com a tecnologia RFID, a produtividade e a lucratividade empresarial e dos ativos aumentam. Além desses aspectos, a principal característica do sistema RFID é a sua estrutura:

  • Uma antena responsável por transmitir a informação para o leitor, por meio de um circuito integrado;
  • Leitor ou transceptor que recebe os dados da antena e o converte em ondas de rádio;
  • Etiqueta RFID ou tag que contém o circuito e a informação que precisa ser transmitida e analisada.

Ou seja, para que o sistema RFID cumpra sua função de transmissão de dados e informações, todos esses equipamentos são essenciais. No entanto, é na etiqueta RFID que os dados se armazenam, por isso é essencial a etiqueta RFID para controle de estoque.

O que é a etiqueta RFID?

As etiquetas RFID são as responsáveis por conter as informações importantes e essenciais sobre um item. Assim, aplicam-se essas etiquetas em variados objetos, máquinas, embalagens ou, até mesmo, seres vivos.

É por meio dessas etiquetas que se armazenam e se recuperam dados à distância que impactam a cadeia de processos. Afinal, uma etiqueta RFID emitirá um sinal que possui informações sobre um ativo para que os interessados tenham acesso a elas.

Controle de Estoque com Etiqueta RFID
Controle total e remoto de estoques com etiquetas RFID

Como funciona o RFID em um sistema de armazenagem?

A etiqueta RFID faz parte do processo entre empresa, produto e cliente e tem importância a partir do momento de sua impressão.

Com esse processo, a etiqueta RFID para controle de estoque tornou-se uma realidade para as empresas em sua logística. Pois, essa etiqueta se faz presente no produto desde o estoque até a entrega ao cliente final.

De início, quando há a expedição do produto, etiquetas RFID são impressas com as informações deles e colocadas nas caixas desses itens.

Quando o produto é vendido, as caixas com eles deixam as fábricas e seguem para o depósito em que há a leitura das etiquetas RFID para identificar e lançar os produtos no sistema.

São os leitores RFID que leem as etiquetas, ainda no depósito, e realizam atividades envolvendo a etiqueta RFID para controle de estoque como acompanhar os inventários e dar a saída do produto.

Ao sair do depósito, já com sua etiqueta RFID lida, os lotes seguem até o centro de distribuição e, desse centro, é separado para se locomover ao cliente.

Assim, a empresa consegue acompanhar todo esse ciclo e gerenciar seu estoque e os processos até a entrega ao cliente final, peças etiquetas RFID. E os clientes também conseguem acompanhar o trajeto do produto até sua entrega por meio das informações que as etiquetas disponibilizam.

Etiqueta RFID para controle de Estoque e Inventario
Etiqueta RFID TempCode

Como funcionam as etiquetas RFID?

As etiquetas RFID também são conhecidas como etiqueta inteligente. Por isso, uma etiqueta inteligente é um dispositivo que empresas introduzem em itens e seres vivos para identificá-los e atribuírem informações. Dessa forma, a principal função é a etiqueta RFID para controle de estoque.

No entanto, existem etiquetas inteligentes com outras finalidades fora a gestão de estoques. Essas tem como objetivo permitir ao cliente saber qual a localização do objeto que ele desejar, principalmente se esse item estiver próximo.

Portanto, as etiquetas inteligentes são o principal elemento do sistema RFID por ser o responsável por receber, transmitir e responder as transmissões.

Como é a tecnologia usada nas etiquetas RFID?

As duas tecnologias mais usados nas tags RFIS são o microchip e o formato EPC. Assim, sua estrutura básica é possuir um microchip que emite ondas de radiofrequência, essas que as antenas RFID fazem a leitura. Além de armazenar seus dados na tecnologia de formato EPC.

Microchip

É nesse microchip das etiquetas RFID que são armazenadas as informações sobre um produto. Dentre elas estão:

  • Nome do produto;
  • Data de validade;
  • Lote;
  • Número do serial;
  • Nome da empresa;
  • Outras informações pertinentes sobre o item.

Além da sua capacidade de armazenamento, o microchip também possibilita a resposta ao sinal de radiofrequência com as informações que estão nele.

Formato EPC

As etiquetas RFID armazenam dados no formato EPC, Electronic Product Code. Essa tecnologia foi criada pelo Auto-ID Center para ser um sucessor do código de barras. Dessa forma, o EPC é um método de rastreamento de mercadorias que usa a tecnologia RFID e que tem baixo custo.

Da mesma forma que o código de barras, o EPC possui um sistema numérico capaz de identificar produtos. Mas tem uma capacidade muito maior do que o seu antecessor ao adicionar informações específicas, como origem e destino do produto.

Assim, o EPC se armazena em uma etiqueta RFID para transmitir a informação no momento em que um leitor verifica a etiqueta. Por isso, o EPC acaba por maximizar a tecnologia RFID e promover benefícios que com os códigos de barra eram inatingíveis.

Os benefícios do EPC para clientes e empresas

O EPC auxilia as empresas a melhorar sua eficiência e, também, beneficiar os clientes AP garantir e disponibilizar produtos, velocidade e qualidade.

Em relação aos clientes, as etiquetas RFID não permitem que mercadorias falsas sejam entregues para eles. Pois os consumidores conseguem monitorar e rastrear seus produtos desde a compra.

Já para as empresas, essa tecnologia ajuda com a transformação de processos para melhorar a eficiência e se utiliza a etiqueta RFID para controle de estoque. Pois, com a visibilidade da cadeia de processos e de seus produtos, as empresas evitam perdas de valor por conta de roubas, perdas ou falta de estoques. Afinal, o EPC ajuda as empresas a monitorar o estoque e gerenciar melhor, solicitações de novos produtos.

Etiquetas RFID para supermercados

Há muitos supermercados ao redor do Brasil e do mundo, sejam eles de tamanho grande, médio ou pequeno.

Dessa forma, por conta da competitividade entre as empresas desse setor, os supermercados precisam fazer bom uso e usufruir cada vez mais da tecnologia. E isso para conseguir sobreviver e se manter em um mercado tão competitivo.

Portanto, uma estratégia tecnológica que redes de supermercado que se iniciou nos Estados Unidos e chegou até o Brasil é a etiqueta RFID para controle de estoque varejista. Ou seja, aplicar tags RFID nos produtos e itens do mercado aumenta a estratégia competitiva da companhia.

O que as etiquetas RFID proporcionam para os supermercados?

As etiquetas RFID, além de controlar e gerir a cadeia de suprimentos, têm como objetivo reduzir filas e outros transtornos comuns nos caixas dos mercados.

Além disso, eles também auxiliam os clientes com um carrinho de compras que possui monitores. Esses que mostram as ofertas do dia e quais produtos o cliente está fazendo a compra.

Esse é o motivo pelo qual as etiquetas RFID para supermercados também funcionam como etiqueta RFID para controle de estoque.

É por meio delas que o gestor do supermercado conseguirá controlar a movimentação do estoque e de mercadores. Com isso, terá informações e relatórios pertinentes sobre quantos e quais produtos precisa comprar com o fornecedor. Para que nenhum produto falte e nem que sejam gastos valores com produtos que não há necessidade de adquirir no momento.

Usar as etiquetas RFID para supermercado e com objetivo de ser etiqueta RFID para controle de estoque, cria eficiência e boa relação com fornecedores e clientes. De modo a realizar uma aproximação entre o supermercado e ambos.

Além disso, o supermercado consegue criar um banco de dados que mostra todo o histórico de compras dele. De forma a apresentar todos os produtos e quais precisam de maior atenção. O que culmina na fidelização de clientes e preços competitivos.

Amazon Go: exemplo de etiquetas RFID em supermercados

A Amazon Go é uma loja física da massiva loja on-line Amazon. No entanto, esse supermercado se difere dos outros por não apresentar caixas registradoras e nem filas.

Para isso, o cliente precisa ter o aplicativo da Amazon Go, escolher seus produtos, pegá-los na loja e pagar pelo próprio app.

Assim, as tags RFID consegue detectar o momento em que os clientes retiram ou devolvem os itens do mercado às prateleiras. Além de rastrear esses produtos no carrinho virtual do cliente.

Todos os produtos possuem etiquetas RFID para controle de estoque e para garantir a venda para o cliente. É nessa etiqueta que terá todos os dados e informações do produto e que monitorará a venda por meio do dispositivo móvel da pessoa.

O que é uma etiqueta RFID ativa?

As etiquetas RFID são divididas de acordo com sua frequência e sua energização. De acordo com a energização, elas são classificadas em passiva e ativa.

As tags RFID ativas são aquelas que têm sua própria fonte de energia. Ou seja, essa etiqueta possui uma bateria interna que possibilita intervalos longos de leitura e grandes espaços de memória. Além disso, as etiquetas ativas usam duas frequências principais, 433 MHz e 915 MHz.

Já as etiquetas RFID passivas não têm uma fonte de energia intera, pois elas usam da radiofrequência do leitor para se energizarem. E tudo isso para conseguir transmitir as informações que constam nela. Também, essas tags RFID são reutilizáveis e adquirir novas informações.

Qualquer uma dessas etiquetas possuem vantagens em sua utilização. Pois, quaisquer umas das duas funcionam com distâncias consideráveis entre elas e os leitores. De forma que não é necessário contato e nem campo visual para acontecer essa leitura.

Além disso, é possível a leitura das etiquetas RFID através de diversos materiais e substancias, como água, metal, madeira e plásticos.

Qual é a diferença entre as etiquetas RFID ativa e RFID passiva?

As etiquetas RFID ativas são voltadas à leitura e à gravação, além de se alimentar por uma bateria interna. Portanto, por ser uma etiqueta que permite a gravação, isso significa que as informações que ela possui podem ser modificadas, regravadas e escritas segundo a necessidade da empresa.

Além disso, essas tags RFID têm maior alcance de leitura, de modo a ultrapassar até dez metros de distância do leitor. No entanto, por conta das suas funcionalidades ela tende a ser maior e mais cara do que a etiqueta passiva.

A tags RFID passiva não possui uma bateria interna, como a ativa. Assim, essa etiqueta RFID só se ativa com um campo eletromagnético que o leitor emite. Também, seu alcance é menor, o que faz com que o leitor tenha que ser mais potente.

Em contrapartida as tags ativas, as passivas são mais baratas, menores e com utilização mais simples. No entanto, ambas podem ser utilizadas como etiquetas RFID para controle de estoque.

Quanto custa uma Etiqueta RFID?

Para investir em um sistema RFID completo, o empresário precisa considerar o hardware, software e a etiqueta.

A parte de hardware engloba os materiais que lerão as informações das etiquetas e sua infraestrutura. Ou seja, antenas, leitores, wi-fi, portais e toda infraestrutura física. Já os softwares são os sistemas, com as licenças de leitores e coletores e as integrações com os sistemas atuais de coleta de dados.

Dessa forma, o que mais impactará o valor total da implementação de um sistema RFID são as etiquetas. Isso ocorre porque existem inúmeros tipos de etiquetas RFID, com diversas variações de materiais, memória, classificação e frequência.

Em média, nos Estados Unidos, uma tag RFID custa 25 centavos de dólar, mas isso quando se compra mais de um milhão delas. No Brasil, quando uma empresa compra essa quantidade, o preço varia em torno de 80 centavos a 1 dólar por etiqueta.

No entanto, o preço total englobará todos os outros itens do sistema RFID e a instalação deles. Além do tipo de tag RFID escolhida.

varios tipos de etiquetas rfid

Quais são os tipos de etiquetas RFID?

As tags RFID podem ter variadas utilizações, por isso elas também se diferenciam de acordo com seu uso:

  1. Uso em lotes ou caixas: Essas podem ser de diversos formatos e materiais, mas se deve considerar o ambiente. Além disso, esse tipo de tag RFID é recomendada quando a maior importância é a identificação e rastreabilidade dos produtos;
  2. Impressas em adesivo: Esse tipo de tag RFID é quando o fornecedor a imprime e a coloca no pacote que é enviado para o cliente. Dessa forma, tanto o cliente quanto o lojista terão detalhes do produto;
  3. Uso em tecidos: Há algumas etiquetas RFID que são fixadas nos produtos e essas auxiliam o processo desde sua confecção na fábrica até chegar a contagem do lojista;
  4. Cartões de acesso: Por último, esse tipo de tags RFID tem como objetivo controlar o acesso de pessoas e veículos em estacionamentos e empresas. Seja com bloqueios, leituras biométricas, catracas ou cancelas.

Qual o tamanho das etiquetas RFID?

O tamanho das tags RFID podem variar, mas, em geral, elas são um objeto pequeno. Só que suas formas e tamanhos variam de acordo com a finalidade e tipo dessas tags.

Etiquetas RFID para identificação animal tendem a ser muito pequenas, com variação de tamanho de 3mm de diâmetro e 10 mm de comprimento. Já para controle de acesso, essas etiquetas têm o tamanho de um cartão de mais de 5 cm de altura.

A menor etiqueta RFID que existe foi desenvolvida em 2007 pela companhia Hitachi. Essa tag foi chamada pelos pesquisados de “tipo em pó” e isso por possuir tamanho de 0,4 milímetros de diâmetro e de comprimento.

É uma vantagem o uso de etiquetas RFID?

Usar as etiquetas RFID traz benefícios não só para as empresas, mas também para os clientes. Afinal, com essas etiquetas os gestores conseguem gerir sua cadeia logística, controlar documentos e acessos, além de linhas de montagem industriais.

Também, as tags RFID permitem a identificação animal e rastrear todos os produtos, desde sua origem até sua entrega final.

0 0 votes
Avaliação do artigo
0 0 votes
Avaliação do artigo
Inscreva-se
Notifique-me
guest
0 Comentários
Feedbacks
Ver todos os comentarios
O impacto da falta de gestão de ativos no seu empreendimento
A gestão de ativos está diretamente ligada à governança corporativa e busca identificar, mensurar e controlar o ciclo de vida desses ativos nas organizações.
Informações Relevantes
Não perca o controle do seu inventario gerencie seus ativos de forma profissional com nossas ferramentas
Guia de Navegação
Mantenha-se atualizado
Torne-se PRIME

Se inscreva gratuitamente para ler nossos artigos, dicas e conteúdos exclusivos com prioridade.

Em destaque
Conteúdo Relacionados
Conteúdo