Tecnologia RFID para inventários: o que é e como funciona?

Tecnologia RFID para inventários: o que é e como funciona?

Na área de gestão de ativos, RFID tem se destacado cada vez mais. Por isso, vamos te explicar o que é tecnologia RFID, como ela funciona e como essa solução vai te ajudar na organização do inventário de sua empresa. Confira!

Tecnologia RFID para inventários: o que é e como funciona?
A tecnologia RFID utiliza frequências de rádio para a comunicação de dados | Foto: Unsplash

O que é tecnologia RFID

A tecnologia RFID, sigla em inglês para Radio-Frequency Identification, é uma maneira de identificação automática de frequências de rádio, que retém dados por meio de dispositivos como etiquetas ou tags. Em português, pode-se traduzir o respectivo termo como “Identificação por Rádio Frequência”.

Basicamente, é uma alternativa ao uso de códigos de barras na marcação de ativos ou produtos. Se você precisa controlar e monitorar seus ativos e estoques, com etiquetas passivas e etiquetas ativas, a CPCON facilita essa tarefa. Clique aqui e veja como!

Como funciona a tecnologia RFID

As etiquetas RFID servem para conter as informações do ativo ou produto em que foi instalado. Por meio de uma antena e um transceptor ou coletor de dados específico, faz a leitura do sinal e transfere o dado para um transponder que contém a informação a ser transmitida.

Com o uso de um equipamento de leitura das etiquetas RFID, a informação guardada pode ser recuperada. Os dados também podem ser atualizados se o equipamento de leitura estiver conectado a um banco de dados. Ao serem fixados ao ativo ou produto, as etiquetas RFID irão carregar consigo por exemplo o número de série, o modelo e os dados do fabricante. 

Existem diversos tipos de etiquetas para inúmeras aplicações na gestão de ativos e estoques como: etiquetas metálicas para aplicação em ativos metálicos, onde predominam na sua composição material desta característica; etiquetas não metálicas para aplicação em ativos não metálicos, dentre outras específicas como etiqueta para uso no controle de pneu ou etiquetas ativas que emitem sinal dentro de um hospital para monitoramento de ativos em movimentação constante como uma maca. 

Vantagens da tecnologia RFID

Em termos práticos, a tecnologia RFID te ajudará a acompanhar melhor a movimentação do seu inventário. Por exemplo: caso os locais de entrada e saída da sua empresa, do seu armazém ou do seu estoque tenham antenas e os bens ou produtos tenham afixados etiquetas, você terá noção do que está saindo e entrando. Isso facilitará a organização ágil e também promoverá maior segurança. 

Veja 5 vantagens do uso da tecnologia RFID na gestão de ativos e estoques:  

1. Rastreamento de itens do inventário

Uma das aplicações dessa tecnologia se resume no rastreamento do objeto de seu inventário. Na tarefa de administrar o seu ativo ou estoque, é possível eliminar a contagem manual dos itens e apenas consultar e monitorar os dados fornecidos pelas tags.

2. Controle e rastreabilidade de ativos e estoque

As etiquetas podem funcionar para rastrear toda a extensão da empresa ou do estoque para fazer uma atualização constante do inventário. Dessa forma, a tecnologia fará uma varredura periódica para obter a localização e a contagem exata.

3. Tempo de leitura menor e simultânea

Outra vantagem é que o tempo de leitura será menor e de maneira simultânea, pois não será preciso localizar a etiqueta para ler a descrição. Além disso, não será necessário manter distância curta no ato da leitura e, ainda, poderá buscar mais de uma etiqueta por vez. 

4. Auxilia o funcionamento de sistemas antifurto

As etiquetas também podem servir para a detecção de furtos, sendo compatíveis com portais antifurtos. Assim, auxiliando no controle da entrada de itens da empresa ou do estoque e também no monitoramento da saída

5. Gerenciamento da cadeia de abastecimento

Especificamente nos estoques, a identificação por radiofrequência é utilizada no gerenciamento da cadeia de abastecimento para obter agilidade e segurança durante a movimentação das mercadorias desde etapas de separação de pedidos e distribuição até a entrega ao cliente.

Diferenças entre RFID e código de barras

As etiquetas RFID contém chips para armazenar os dados do item em que foi instalado. Para a leitura desses dados, não é preciso contato nem curta proximidade de um leitor com a etiqueta, diferente do código de barras. Isso contribui para que o processo seja mais ágil e elimina o obstáculo da distância. 

As principais diferenças entre RFID e código de barras são:

  • Contagem de itens: o código de barras do item precisa ser lido muito próximo ao leitor, enquanto a RFID não precisa ser apontada diretamente, o que gera agilidade no inventário e evita erros
  • Informação e personalização: enquanto a RFID possui uma memória ampla que permite regravar informações e reaproveitar etiquetas, o código de barras possui um padrão que só permite a gravação uma única vez
  • Ambiente: o ambiente muitas vezes é um empecilho para o código de barras que, com pouca luz, pode não ser lido, por exemplo. No caso da RFID, a leitura é fácil e efetiva independente do cenário onde se encontra, inclusive podendo ser lida onde não estão visualmente passíveis de identificação como nos equipamentos de forro de hospitais
  • Localização de itens: diferente do código de barras, a RFID permite consultar se o item está em movimento ou foi remanejado, além de verificar lotes e datas específicas de movimentação.

Por fim, a memória de uma tag pode armazenar informação, em maior quantidade, regravar informações e reaproveitar as etiquetas. Isso é útil no caso de realocação de um ativo entre empresas, contagem da matéria-prima que é transformada no processo em produto final, dentre outras situações. 

Agora que você aprendeu como funciona a tecnologia RFID para o monitoramento do seu inventário, que tal contratar um serviço especializado? Clique aqui e conheça as soluções RFID oferecidas pela CPCON!

Deixe uma resposta