Chip RFID: O que é e como funciona?

chip rfid
O chip RFID é fundamental para o funcionamento do sistema RFID, assim como para que essa tecnologia consiga identificar e transmitir informações.

O sistema RFID é uma tecnologia inovadora em relação a identificação e transmissão de dados e informações. Para que isso seja possível, o sistema precisa possuir um leitor RFID e uma etiqueta. Mas outros componentes fundamentais são as antenas e um chip RFID.

Os chips RFID são dispositivos minúsculos que se conectam a antenas ou etiquetas RFID, assim eles são acoplados em objetos e itens. O que significa que, em um sistema RFID, eles trabalham em conjunto com os leitores RFID.

A imagem apresenta um diagrama explodido de uma etiqueta RFID, destacando suas camadas e componentes individuais. A ilustração é dividida em seis seções principais, cada uma delas marcada com um número que corresponde a uma parte específica da etiqueta:

Camada Protetora: No topo do diagrama, essa camada funciona como um escudo para os componentes internos, protegendo-os de danos ambientais e físicos.

Camada Sobre Metal: Esta seção sugere que a etiqueta foi projetada para ser usada em superfícies metálicas, possivelmente com materiais ou tratamentos específicos que permitem que o RFID funcione corretamente próximo ao metal.

CHIP RFID: O coração da etiqueta, o CHIP RFID é mostrado como um componente separado. Ele armazena as informações e comunica com o leitor através da antena.

Antena IC: Localizada abaixo do chip, a Antena IC é responsável por transmitir e receber sinais de rádio.

Camada Adesiva 3M: Esta camada é feita pela 3M, uma conhecida fabricante de produtos adesivos. Ela permite que a etiqueta seja fixada a uma variedade de superfícies.

Liner de Liberação: A base do diagrama mostra o liner de liberação, que protege a camada adesiva até que a etiqueta esteja pronta para ser aplicada.
Diagrama de uma etiqueta RFID, destacando suas camadas e componentes individuais.

Geralmente, o leitor RFID usa suas bobinas de indução para gerar um campo eletromagnético de alta frequência com um curto alcance. Esse fato não só permite que os dados a transmissão do chip RFID para o leitor, mas também fornece energia ao chip.

Dessa forma, a utilização do chip RFID é ampla por englobar uma variedade de aplicações nas quais se deseja que não haja contato entre o leitor e o item. Como, por exemplo, cabines de pedágio, passaportes e chaves de entrada.

Ou seja, um chip, abreviação de microchip, é um conjunto de circuitos eletrônicos com módulos complexos dispostos em um pequeno pedaço plano de silício. Esses dispositivos armazenam memória ou fornecem circuitos lógicos para microprocessadores.

Quando integrado ao sistema de tecnologia de identificação por radiofrequência, o RFID, um chip se transforma em um chip RFID. De maneira a ter como objetivo, guardar, transmitir e processar dados em tempo real. E tudo isso para aumentar a agilidade e eficiência dos processos de contagem e de identificação de ativos de modo simultâneo.

Pontos chave

  • O chip RFID é um elemento importantíssimo para a etiqueta RFID.
  • É no chip RFID que o gestor consegue inserir dados e informações que serão transmitidas aos leitores RFID.
  • Circuito integrado é outro nome que um chip RFID recebe.
  • Para funcionar, esse tipo de chip precisa de energia, essa que vem da etiqueta RFID passiva ou ativa.
  • As principais características de um chip RFID são: EPC, memória, TID e senha.
  • Chips RFID não são utilizados apenas em gestão de ativos, mas, atualmente, eles são utilizados em pessoas. Esse fato tem gerado controvérsias para a sociedade atual, em relação às questões éticas.

O que é um chip RFID?

O chip RFID é um dispositivo que armazena dados de identificação não criptografados que podem ser lidos sem fio por um transceptor. Esse que é o leitor RFID. Assim, para que o chip RFID funcione, o sistema, obrigatoriamente, precisa ter duas partes: o chip e um scanner que o lê, que é o leitor RFID. 

Outro nome que o chip RFID recebe é CI, ou circuito integrado. Um CI é uma coleção de componentes eletrônicos, como resistores, transistores e capacitores, que se inserem dentro de um pequeno chip. Os componentes se conectam uns aos outros para atingir um objetivo comum. Em um sistema RFID, o objetivo é a rápida e massiva transmissão de informações e dados.

Assim, dentro do chip RFID há uma unidade lógica que toma decisões e fornece memória para armazenar dados. No entanto, o CI só funciona quando em contato com energia. O que depende do tipo de etiqueta RFID, pois há as etiquetas passivas e as ativas.

Energia do chip RFID

Como visto, o CI necessita de energia para funcionar que vem da etiqueta RFID. Em uma etiqueta ativa, a energia vem de uma bateria. Enquanto em uma etiqueta passiva, a energia se irradia pela antena do leitor.

Memória do chip RFID

A memória do CI pode ser dividida em vários blocos, que se chamam bancos. Cada bloco pode apresentar uma característica específica, como ser apenas de leitura, somente de gravações únicas ou de gravações múltiplas.

Já os tipos de dados que se armazenam nos chips RFID dependem dos protocolos utilizados. Ou seja, o chip RFID pode armazenar senhas, ID das etiquetas, identificação de objetos e códigos de detecção de erros, por exemplo.

As principais características do chip RFID

Um chip RFID pode se incorporar em etiquetas RFID, o que faz com que haja diversas vantagens entre uma etiqueta RFID e uma tradicional. Assim como sobre os códigos de barras. Por isso, uma das características do chip RFID é o seu trabalho conjunto aos leitores RFID.

No entanto, os chips RFID têm diversas características que o fazem se diferenciar de outras tecnologias, como código de barras. Dentre as características importantes do chip RFID estão:

  • EPC: O Código Eletrônico do Produto é um identificador universal para fornecer uma identidade única para cada objeto e produto. Assim, o chip dá ao produto um número de série personalizado.
  • Memória: A principal característica do chip RFID é o registro que ele faz sobre os dados de seus usuários, como lotes e data de validade do produto.
  • TID: O TID é o identificador único do chip RFID, diferente do EPC ele é de fábrica e não pode ser alterado. De modo que não há duplicatas.
  • Senha: O chip RFID possibilita que seu usuário crie e insira uma senha. E isso é uma atividade de segurança para que nenhuma pessoa não seja autorizada possa alterar ou escrever no chip.

Chip RFID é a tecnologia do futuro?

A tecnologia de identificação por radiofrequência (RFID) existe há décadas. Com ela, uma etiqueta pode transmitir e trocar dados com um leitor por meio de sinais de radiofrequência.  Dentro das etiquetas e dos leitores, há outros componentes como antenas e chip RFID.

A antena é a responsável por enviar e receber ondas de rádio, enquanto o chip RFID tem uma função muito parecida a uma etiqueta de código de barras. Afinal, ele também precisa de um scanner ou leitor para funcionar, embora tenha uma utilização mais ampla.

Isso significa que um chip RFID não é voltado apenas para o uso em empresas e industrias. Ele pode se aplicar em quase todos os itens, assim como em animais e até em pessoas.  Ou seja, é possível usar um chip RFID, por exemplo, em cães ou gado para rastreá-los. Assim como em malas e bagagens para elas não se perderem em uma viagem. E em cartões de crédito ou débito.

Além disso, os seres humanos também estão recebendo implantes de chip RFID. O que tem gerado diversas controvérsias na sociedade atual.

Chip RFID e a implementação em seres humanos

O primeiro ser humano a receber um implante de microchip RFID, em 1998, foi o cientista britânico Kevin Warwick. Ele participou de um experimento o qual fez com que um computador monitorasse o cientista e seus movimentos em corredores da Universidade de Reading.

Esse fato foi possível por conta do sinal de identificação que o chip emitiu. O que fez com que Warwick conseguisse acender e desbloquear portas, luzes e computadores apenas pelo chip.

Mesmo com esse experimento, o chip RFID só se tornou comercializado duas décadas depois. No entanto, mesmo que eles sejam vistos como dispositivos de segurança em potencial, há controvérsias em relação a sua utilização em seres humanos. Afinal, eles podem possibilitar invasão de privacidade e violação da integridade corporal.

Portanto, há aspectos legais e éticos face à segurança de ponta oferecida por tais chips. De maneira que o mais recomendável seja a utilidade do chip RFID em processos industriais e de estoque. E não com questões envolvidas ao seu implante em seres humanos.

4.5 4 votes
Avaliação do artigo
Subscribe
Notify of
guest
0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments
Você quer um inventario mais eficiente?
Beneficie-se com o rastreio em tempo real, redução significativa de perdas e um aumento notável na velocidade dos processos de gestão de ativos e estoques.
Sobre o Grupo CPCON
No Grupo CPCON, você encontra soluções especializadas em gestão de ativos e estoques, com ênfase na tecnologia RFID, para otimizar e agilizar seus processos. Oferecemos serviços como inventário de ativos, gestão de ativos de TI, consultoria imobiliária, reconciliação fiscal-física e automação com RFID. Além disso, temos gestão de estoque, serviços de avaliação, soluções ágeis, software e consultorias variadas. Nossa vasta experiência, incluindo trabalhos com clientes renomados como Caixa Econômica, Vale e Petrobras, reforça nosso compromisso com ética e proteção de dados.
Guias
Soluções
Cansado de erros e imprecisões na Gestão de Seus Ativos e Estoques?
Experimente a precisão e eficiência da tecnologia RFID do Grupo CPCON. Com rastreamento em tempo real e uma drástica redução nas perdas, acelere os processos de inventário e gestão em sua empresa. Transforme sua gestão de ativos hoje mesmo!
Em destaque

Conteúdos Relacionados a

Comitê de Pronunciamento Contábeis

Redução ao Valor Recuperável de Ativos – Mudança Lei 11.638/07

O Comitê de Pronunciamentos Contábeis reitera o pronunciamento técnico CPC 01 sobre a Redução ao Valor Recuperável de Ativos. Conforme Art. 3º, Considera-se de grande porte, para fins exclusivos desta lei, a sociedade ou conjunto de sociedades sob controle comum que tiver, no exercício social anterior, ativo total superior a R$ 240.000.000,00 ou receita bruta anual superior a R$ 300.000.000,00”

Continuar lendo »
Foto de um grande rolo de etiquetas adesivas RFID, com algumas etiquetas parcialmente desenroladas e prontas para aplicação.

Adesivo RFID

O adesivo RFID traz uma tecnologia inovadora e que consegue otimizar os processos. Dessa forma, compreenda que conhecer esta nova tecnologia faz grande diferença nos negócios. Assim, você deve entender

Continuar lendo »
Novidades

Conteúdo Recentes

Rolar para cima