Reavaliação de Ativos e Ativo Imobilizado – Guia 2023

Comitê de Pronunciamento Contábeis
Entenda o conceito de reavaliação de ativos, quando ela deve ser realizada pela sua empresa e também a influência que a depreciação pode ter neste processo.

Reavaliação de Ativos é o processo de gestão patrimonial onde se atribui um novo valor para um ativo, atualizando o valor do mesmo. O valor de mercado de um bem ou ativo pode variar, levando em conta depreciação, valorização e desvalorização do mercado e também caso ocorra alguma mudança na legislação.

Assim, você deve saber como é feito esse processo para que possa aplicar isso em seus negócios. Então leia o artigo para descobrir o que é reavaliação de ativos e o modo de funcionamento dela.

Pontos Chave

  • Proibição da reavaliação de ativos no Brasil: Conforme a Lei das S/A (11.638/2007) a prática foi proibida no país. Devido ao fato de algumas empresas inflarem os valores do seu patrimônio líquido;
  • Reavaliação de ativos: É um processo que visa atualizar os valores dos bens (ativos) até que eles alcancem os valores presentes no mercado;
  • NPC 24 – Reavaliação de ativos: documento com regras específicas para a prática da reavaliação de ativos;
  • CPC 27 – Ativo imobilizado: É o pronunciamento que está relacionado diretamente com o método de reavaliação.

Introdução à Reavaliação de Ativos

O que é a Reavaliação de Ativos

O termo reavaliação de ativos faz parte da chamada gestão patrimonial. Desse modo, compreenda que a tarefa consiste em aplicar um valor novo a um certo ativo, fazendo com que o mesmo fique atualizado.

Com isso, saiba que a reavaliação de ativos é utilizada justamente para tal operação. De fato, compreenda que os valores do mercado tanto de bens quanto dos ativos podem variar bastante.

E são levadas em conta diversas variáveis que englobam:

  • Depreciação;
  • Valorização;
  • Desvalorização.

Vale destacar que até mesmo as mudanças feitas na legislação podem fazer com que tais itens modifiquem seus valores. Um detalhe importante é que a reavaliação de ativos imobilizado está proibida no Brasil.

Sendo que a lei 11.638/2007 nomeada de Lei das S/A é quem é a base dessa proibição. Já que as empresas estavam usando este recurso a fim de aumentar seu patrimônio líquido.

Como resultado, entenda que a atividade estava trazendo alguns prejuízos aos investidores da companhia. De tal forma que a solução encontrada foi proibir que isso fosse realizado aqui no país.

Dessa maneira, compreenda que o grande objetivo desta reavaliação é fazer uma atualização nos valores que pertencem ao patrimônio líquido. Enquanto que isso permite com que os bens e ativos se adéquem ao mercado.

Desse modo, compreenda que a reavaliação de ativos faz com que todas as operações da área contábil tenham ótima precisão. Além de garantir com que os resultados sigam em maior proximidade com os cenários reais.

Vale ressaltar que cabe a empresa determinar quais dos bens vão ser reavaliados, embora seja comum fazer isso com todos os ativos. Por certo, saiba que a resolução No 1004 do CFC (Conselho Federal de Contabilidade) é quem define essa aplicação.

Resolução de Reavaliação de Ativos No 1004 do Conselho Federal de Contabilidade (CFC)

A Resolução de Reavaliação de Ativos Número 1004, estabelecida pelo Conselho Federal de Contabilidade (CFC), é um regulamento no Brasil que orienta as práticas contábeis relacionadas à reavaliação de ativos. Segundo esta resolução, somente ativos e bens tangíveis, também conhecidos como ativos corpóreos ou materiais, podem ser reavaliados. Esta regra assegura que os registros contábeis refletem com precisão o valor real dos ativos da empresa, contribuindo para uma gestão financeira mais precisa e eficaz.

Importância da reavaliação para a contabilidade de ativos imobilizados

Reavaliação de Ativos: Atualizando o valor dos bens para efeitos contábeis e negociações
Reavaliação de Ativos: Atualizando o valor dos bens para efeitos contábeis e negociações

De acordo com o que já vimos no artigo, é possível perceber que a reavaliação de ativos consiste num processo interno. De tal modo que existem prazos com sugestão feita pelos especialistas (contabilidade) tais como (reavaliações):

  • Ativos Imediata: Os profissionais trazem a recomendação para que ao negociar algum ativo com valor alto seja feita a reavaliação dele. Com isso, entenda que evita-se uma venda com valores que estejam fora do mercado. Pois, isso prejudica tanto quem faz a venda quanto quem adquire o item;
  • Anual (ativos): a reavaliação de ativos neste caso é bem interessante, pois o mercado costuma ser muito variável e as alterações acabam sendo muito constantes;
  • Ativos (a cada 4 anos): é importante nos itens com prazos longos para estes bens em valores estáveis ou que apresentem mudanças de preços por causa das depreciações.

Além disso, compreenda que devido ao processo de depreciação se faz importante que essa avaliação seja realizada. De tal modo que o lançamento possa ser realizado de forma correta dentro do balanço patrimonial.

Com isso, entenda que a tarefa da reavaliação de ativos engloba uma verificação completa de patrimônio da empresa. Sendo uma maneira de demonstração (contábil) tanto qualitativa quanto quantitativa em certa data.

Enquanto que a cobertura deve ser para a posição financeira total presente na organização. Vale destacar que durante a avaliação dos ativos (fixos) são levados em conta:

  • Bens;
  • Direitos;
  • Aplicações em recursos.

Desse modo, saiba que a reavaliação de ativos tem nesta avaliação os itens com possibilidade de trazer benefícios (econômicos). E o processo é feito pela Lei 11.638 do ano de 2007, o CPC 01 e pelo CPC 27.

Vantagens e desvantagens da reavaliação de ativos

VantagensDesvantagens
Melhora a representação do patrimônio líquido da empresa.O custo da avaliação.
Reduz o impacto da inflação nos resultados.A possibilidade de perda de valor do ativo no futuro.
Fornece informações mais precisas para investidores e credores.A necessidade de ajustes na depreciação ou amortização.

Contabilização de Reavaliação de Ativo Imobilizado

Processo de contabilização da reavaliação de ativos e depreciação

Um dos fatores que mais influenciam diretamente nos valores dos ativos é a depreciação. Nesse sentido, compreenda que ela envolve a diminuição progressiva dos valores dos bens.

Dessa forma, saiba que no momento em que um ativo tem uma taxa de depreciação elevada ele precisará da reavaliação. Confira na lista abaixo alguns dos exemplos de itens que sofrem com a depreciação ao longo do tempo:

Decerto, entenda que a reavaliação de ativos se faz necessárias nestes casos devido a rapidez do processo. Contudo, esteja ciente de que certos itens possuem depreciação lenta, tais como:

  • Terrenos;
  • Obras (arte);
  • Aeronaves;
  • Embarcações;
  • Áreas de construção;
  • Entre outros tipos.

Nisso, saiba que é fundamental analisar com cautela a depreciação dos bens (ativos). De tal forma que em certos casos haverá a necessidade de fazer a reavaliação para adequá-lo ao mercado atual.

Por certo, o procedimento da contabilização dos ativos imobilizados deve ser feito com cautela e atenção. Considerando todos os pontos essenciais dos bens inclusos e não se esquecendo das taxas de depreciação. Já que isso influencia diretamente nos dados a serem colocados na documentação.

Aspectos práticos e procedimentos contábeis envolvidos

A reavaliação de ativos terá que ser realizada em formato de laudo com fundamentação técnica. Pois, compreenda que é preciso que haja a indicação de todos os critérios utilizados nesta avaliação.

Além dos elementos que foram adotados para fins de comparação no processo. Outro detalhe é que deve-se verificar também o princípio de Continuidade, que considera as possibilidades das recuperações nos ativos.

E isso pode ser observado durante o período da avaliação de uso deles. Por certo, compreenda que conforme orientações do STN é preciso que se tenha ao menos 3 peritos (servidores) disponíveis.

Já que a reavaliação de ativos terá que contar com o laudo (avaliação) e que tenha diversos dados, tais como:

  • Documentações descritas em detalhes para cada um dos bens;
  • Identificação na forma contábil dos itens;
  • Critérios que foram usados nesta avaliação e a fundamentação deles;
  • Vida útil dos bens remanescentes;
  • Data (avaliação).

Com isso, entenda que logo após o processo temos as depreciações dos bens. Que são calculadas nestes novos valores, englobando a vida útil (econômica) que está dentro do laudo.

Exemplos e casos práticos de contabilização

A fim de ajudar você a compreender melhor a reavaliação de ativos temos um exemplo prático disponível. Nesse sentido, saiba que ficará mais fácil entender como é feito o registro:

  • Situação deste bem anterior ao laudo:
    • Valor (histórico): R$ 80 mil;
    • Depreciação (acumulada): R$ 20 mil;
    • Valor (contábil) líquido: R$ 60 mil.
  • Situação deste bem mostrada em laudo:
    • Valor novo: R$ 90 mil;
    • Tempo (vida) remanescente: 20 anos.

Decerto, compreenda que o resultado final seria:

  • Valor (nova avaliação): R$ 90 mil;
  • Valor (contábil) líquido: R$ 60 mil;
  • Reavaliado (valor): R$ 30 mil.

Em seguida, saiba que na reavaliação de ativos é removido o valor de depreciação acumulada. A fim de que se chegue ao valor (contábil) líquido que seria de R$ 60 mil.

Enquanto que na apuração do valor (reavaliado) inicia-se no valor (bem) que está no laudo. Que seria de R$ 90 mil deduzindo a parte do valor contábil (líquido) de R$ 60 mil.

Como resultado disso, temos a diferença no valor a receber a reavaliação que seria de R$ 30 mil. Em seguida, debita-se esse valor na conta dos edifícios, tendo inclusive outra conta reserva para a reavaliação. Por fim, a conta (edifícios) fica com valor em R$ 90 mil.

Método de Reavaliação de Ativo Imobilizado

Diferentes métodos utilizados na reavaliação de ativos imobilizados

Existem vários métodos na reavaliação de ativos e cada um deles possui seu próprio modo de funcionamento. Desse modo, compreenda que o convencional envolve a atualização dos valores dos bens (ativos).

Com isso, temos alguns pontos essenciais que são:

  • O reconhecimento de tais ativos;
  • Os valores contábeis deles (determinados);
  • A depreciação (valores);
  • Desvalorização (perdas).

Na documentação é preciso que estejam inclusos certos tópicos:

  • Descrição dos bens avaliados;
  • A documentação destes itens;
  • Critérios aplicados durante esta avaliação;
  • Valores dos bens;
  • Tempo de vida útil que o bem ainda possui;
  • Data de realização da avaliação.

Já o método de teste de impairment é feito para determinar:

  • Se um determinado bem (ativo) está com um valor (mercado) distinto do contabilizado.

Dessa maneira, é feita uma reavaliação de ativos que mensura a depreciação dos itens. Como resultado, se torna possível identificar se os ativos estão ou não desvalorizados.

Análise de métodos mais comuns e suas aplicações;

Conforme citado no tópico anterior, há o método convencional e o teste de impairment. Onde o primeiro atualiza os valores através de documentações e análises fundamentalistas.

E o segundo consiste num teste para verificar o grau de deterioração (depreciação) presente nos ativos. Com isso, ambos permitem fazer uma atualização no patrimônio e mostra desvalorizações e prejuízos.

Vantagens e desvantagens de cada método

São muitas as vantagens apresentadas no método de reavaliação de ativos convencional. Pois, saiba que o processo possibilita com que o balanço patrimonial seja feito adequadamente.

Entre os benefícios do método temos:

  • Otimização na visão de gestores e no patrimônio;
  • Tomadas de decisões mais bem fundamentadas;
  • Reflexo real dos cenários presentes na organização;
  • Racionalidade ao obter alguns financiamentos;
  • Cumprir as leis vigentes;
  • Contrato correto de seguros com valores realistas (ativos);
  • Preparação da empresa para futuras aquisições, fusões, reestruturações, entre outros.

Contudo, entenda que a desvantagem da reavaliação de ativos está na manipulação de valores do patrimônio. O que acabou resultando na proibição da prático no Brasil.

Por sua vez, o teste de impairment tem como benefícios principais:

  • Evitar que determinado ativo tenha registros em valores acima do seu recuperável;
  • Analisa a desvalorização do item em comparação ao valor real dele;
  • Observa se tal organização está ou não realizando investimentos que sejam sólidos.

NPC 24 – Reavaliação de Ativos: Entendendo as Diretrizes

Exploração do NPC 24 e suas implicações na reavaliação de ativos

O NPC 24 – Reavaliação de Ativos consiste numa adoção de valores (mercado) dos bens. Que são reavaliados e abandonando os custos originais de tal item.

Enquanto que ele tem o valor corrigido (monetariamente) para se adequar a realidade do setor. Assim, compreenda que o ideal é que haja a reflexão dos ativos no balanço em valores aproximados em reposição.

Ademais, saiba que a reavaliação de ativos possibilita com que tais valores destes bens (imobilizados) se tornem apropriados. Mediante a depreciação, despesas e os custos nos valores novos.

Ao passo que apura os resultados de operações e envolve os conceitos em reposição de tais ativos. Sem dúvida, saiba que é fundamental conhecer a documentação e tudo que é exigido no processo.

Contextualização das normas contábeis relacionadas

O NPC 24 – Reavaliação de Ativos segue o padrão das normas estabelecidas pelo Comitê de Normas Internacionais de Contabilidade. Ou seja, o IASC “International Accounting Standards Committee”.

Dentro da documentação estão todos os pontos e diretrizes do mesmo para a implementação nas empresas. Já o CPC 27 – Ativo Imobilizado prescreve todo o tratamento na contabilidade para os ativos imobilizados.

Permitindo com que os leitores (usuários) possam conferir os dados de uma empresa. Discernindo assim as informações e entendendo tais investimentos de uma organização nos ativos do tipo. Aqui você pode conferir o pronunciamento na íntegra.

Principais pontos abordados e recomendações do NPC 24

Seguindo as informações a respeito da reavaliação de ativos temos o NPC 24 que é um pronunciamento. Dessa forma, saiba que o objetivo dele é trazer um embasamento mais técnico adaptando as empresas ao formato.

Nisso, entenda que é possível realizar a reavaliação nos seguintes cenários:

  • Voluntária em ativos próprios;
  • Ativos de controladas ou coligadas;
  • Subscrição em capital numa outra organização tendo conferência dos bens;
  • Fusões, cisões e incorporações.

Segundo a Lei número 6.404/76 que é voltada para os elementos de ativo, ou seja, abrange diversos itens. De tal modo que pode cobrir o ativo diferido, investimentos, estoques, etc.

Dessa forma, a reavaliação de ativos na lei fiscal possui mais restrições. Ao passo que a referência é para ativos permanentes e não abrange outros itens circulantes ou mesmo o estoque em longo prazo.

Portanto, saiba que no entendimento de tal pronunciamento a reavaliação é restrita aos bens tangíveis (imobilizados). Mas não poderá ter previsão de descontinuidade nas operações destes itens.

Vale ressaltar que se determinada empresa decidir fazer a reavaliação, o critério na avaliação será outro. Deixando de ser o valor em custo corrigido e tendo reavaliações feitas periodicamente.

Onde seu valor líquido (contábil) não tenha diferenças que sejam significativas em valor de mercado. Por certo, compreenda que é importante verificar tais prazos máximos na reavaliação de ativos:

  • Anual: voltado para as contas ou grupos com variações em valores comparados aos registros anteriores;
  • 4 anos: ativos que tenham oscilações em seus preços de mercado irrelevantes, podendo ser também aqueles bens comprados na última das reavaliações;
  • Sistema rotativo: modelos parciais, cronogramas, rodízios, entre outros.

Para mais detalhes a respeito do NPC 24 – Reavaliação de Ativos é interessante conferir esse link. Pois, entenda que a reavaliação de ativos envolve muitos outros aspectos que são importantes que a empresa conheça.

Diferença entre Impairment e Reavaliação de Ativos

Compreendendo as distinções conceituais e práticas entre impairment e reavaliação de ativos

O teste de impairment engloba a depreciação dos bens ativos em uma empresa. Desse modo, entenda que ele é voltado para a tarefa de verificar as desvalorizações presentes nos itens desta organização.

No caso, geralmente o conceito aplica-se nos ativos imobilizados e nos físicos. E a atividade é importante pelo fato de que ocorrem certos processos naturais chamados de depreciações nos bens mediante ao uso dos mesmos.

Enquanto que a reavaliação de ativos é um processo onde são atualizados os valores de alguns bens. Ao passo que ele alcance o valor que é mais comum no mercado atual.

Implicações contábeis e financeiras de cada processos

No impairment ocorre a comparação do valor contábil do ativo (balanço) ao valor recuperável dele. Com isso, se o valor contábil superar o recuperável será necessário contabilizar o teste.

Já a reavaliação de ativos exige um laudo que é fundamentado pelos especialistas. Dessa maneira, compreenda que pelo menos 3 profissionais devem construir o documento.

Enquanto que são inclusos alguns critérios específicos na avaliação realizada. Sendo que os elementos comparativos adotados são essenciais e devem estar contidos nesta documentação.

Como identificar situações adequadas para aplicar cada um

Você deve saber que o teste de impairment e a reavaliação de ativos podem ser utilizados dependendo dos cenários. Com isso, saiba que o impairment é aplicado geralmente quando há indícios nas alterações dos valores justos.

E o ativo em questão está sendo considerado desvalorizado, exigindo assim que seja realizado o impairment. De tal modo que este valor pode sofrer ajustes acima do limite em custo da aquisição contabilizado (inicialmente) através do CPC 01.

Reavaliação de Ativo Imobilizado: Benefícios e Desafios

Benefícios econômicos e estratégicos da reavaliação de ativos imobilizados

O método de reavaliação de ativos é capaz de gerar alguns benefícios para as empresas confira os principais:

  • Otimizar toda a visão de seus gestores no patrimônio e também na capacidade da empresa em investir;
  • Gerar decisões mais assertivas;
  • Atender as legislações (IFRS, CPCs, entre outras);
  • Conseguir empréstimos que tenham custos adequados mediante a captação realizada nos investimentos;
  • Ativos imobilizados com valores reais que permitam contratar os seguros mais efetivos;
  • Preparar ações para o futuro, considerando possibilidades de novas aquisições, mudanças nas sociedades, etc.

Desafios e considerações ao realizar a reavaliação

Entre os principais desafios está justamente reunir uma equipe técnica com 3 peritos competentes. A fim de poder criar um laudo correto e que contenha todas as informações pertinentes em matéria de ativos imobilizados.

Com isso, entenda que a reavaliação de ativos evolve também o próprio mercado. Onde devem ser consideradas as oscilações e mudanças, que podem impactar nos valores.

Exemplos de empresas que obtiveram resultados positivos com a reavaliação

Muitas empresas passaram a adotar no passado o sistema de reavaliação dos seus ativos. E com isso conseguiram bons frutos gerando aumento em seu patrimônio.

Contudo, logo após a proibição, as mesmas tiveram que parar de utilizar a estratégia. O que fez com que os resultados obtidos com a prática se tornassem apenas parte do histórico delas.

Reavaliação de Ativos Imobilizados: Passo a Passo Prático

Orientações para realizar uma reavaliação de ativos imobilizados eficaz

A reavaliação de ativos precisa ser feita em laudo com a presença no projeto por 3 profissionais (peritos). Dessa forma, compreenda que para ter maior eficiência é preciso ter muita cautela e zelo na hora da montagem do documento.

Nesse sentido, entenda que o mesmo deve ter os seguintes dados:

  • Descrições detalhadas de todos os bens presentes nesta avaliação;
  • Modo de identificação deles na contabilidade;
  • Critérios aplicados durante o processo de análise;
  • Valores dos bens;
  • Tempo na qual o ativo possui ainda de vida útil;
  • Data na qual foi realizada essa avaliação.

Etapas e melhores práticas envolvidas no processo de reavaliação

O método de reavaliação de ativos tem o foco em ativos imobilizados e busca chegar a um valor correto de mercado. Dessa maneira, saiba que a análise envolve o já citado laudo técnico.

Onde os peritos ou mesmo uma instituição realizam a documentação com o assunto em pauta. Com isso, saiba que as etapas são captar os profissionais ou a empresa e começar a montagem do laudo.

Enquanto que é preciso analisar e fazer a verificação de todos os ativos para obter os resultados. No caso de necessitar de um cálculo de depreciação é aplicado o teste de impairment para que seja feita a reavaliação do item.

Ferramentas e recursos úteis para auxiliar na reavaliação

O recomendado é contar com profissionais que sejam competentes e que entendam muito bem do tema. Por certo, entenda que os peritos (3) ou a empresa contratada deve realizar a atividade de forma completa.

Realizando a análise da reavaliação de ativos usando os cálculos necessários e incluindo as depreciações. E para criar o laudo é essencial que todos os dados e as informações sejam obtidas para melhores resultados.

Reavaliação de Bens do Ativo Imobilizado: Estudo de Caso

Análise de casos reais de reavaliação de bens do ativo imobilizado

O processo de reavaliação dos ativos foi proibida no Brasil e por esse motivo não é possível identificar casos reais. Entretanto, compreenda que o processo é capaz de atualizar os valores dos ativos de uma empresa.

Ao passo que isso permite com que os itens se enquadrem aos reais valores de mercado. Com toda a certeza, até 2.008 quando era possível utilizar o método, muitas empresas se beneficiaram dele.

Contudo, logo após a proibição da reavaliação de ativos as organizações deixaram de usar a estratégia. O que torna inviável citar exemplos de empresas que se beneficiaram com esse procedimento.

Lições aprendidas e insights de cada estudo de caso

Conforme visto no tópico anterior, a prática é proibida por lei e por isso só é possível conhecer o conceito. Além disso, saiba que a reavaliação era muito útil e gerava benefícios para as organizações que realizam a operação.

Sendo que os principais ganhos eram justamente o fato dos bens (ativos) se adequarem ao mercado. Porém, com a proibição isso deixou de ser possível e pelo menos por enquanto a reavaliação de ativos não pode ser feita no país.

Aplicabilidade das experiências em diferentes setores e empresas

As empresas podem conhecer o método para que entendam o modo de funcionamento dele. Visto que o processo envolve várias etapas e deve contar com diversos profissionais qualificados.

Vale ressaltar que o teste de impairment é permitido e se parece um pouco com a reavaliação. Embora seja um cálculo específico para verificar os níveis de depreciação presentes nos ativos.

Sem dúvida, a reavaliação de ativos é interessante pelo menos para conhecer algumas regras e diretrizes dela. Enquanto que as empresas podem utilizar estratégias parecidas e que sejam permitidas por lei.

Qual o motivo da proibição da reavaliação no Brasil?

A reavaliação de ativos foi proibida no Brasil devido a uma má utilização da ferramenta. Visto que algumas empresas acabaram exagerando ao aplicar o método.

Ao passo que inflaram de modo artificial as demonstrações contábeis, o que não deveria ocorrer. Um exemplo seria basicamente um imóvel com preço de mercado em R$ 500.000 e com avaliação em R$ 1.000.000 no total.

Com isso, entenda que a estratégia foi proibida nacionalmente devido a super valorização que foi feita nos valores. Consequentemente, compreenda que isso foi importante para que houvesse a proteção aos pequenos investidores.

Qual a diferença entre impairment e a reavaliação dos ativos?

Além do termo reavaliação de ativos temos também o impairment que é de extrema importância. Afinal, compreenda que ele é um teste e a tradução da palavra quer dizer “depreciação”.

Dessa maneira, saiba que é feita uma verificação pelas empresas a respeito da desvalorização dos ativos. Por certo, você deve saber que o conceito aplica-se nos ativos imobilizados e nos físicos.

Nisso, entenda que este teste faz uma análise (verificação) anual medindo os efeitos (tempo) nos ativos. Sendo uma atividade anual que ajuda no processo da avaliação contábil e também dos fechamentos dos demonstrativos (financeiros). Sendo o balanço patrimonial o mais conhecido.

Por sua vez, a reavaliação de ativos tem como objetivo rever os valores dos bens e dos ativos. De tal maneira que é importante que a tarefa seja realizada por profissionais da área com qualificação e expertise no assunto.

De fato, compreenda que a reavaliação funciona como uma ferramenta de correção das distorções. E conforme já foi explicado o procedimento engloba o custo do item e o novo valor de avaliação que pode ser maior.

Entretanto, compreenda que foi feita a proibição dele através da Lei 11.638/2007 (Lei das S/A). E por isso as empresas não podem mais fazer o processo, do método de reavaliação de ativos imobilizado.

CPC 27 – Ativo Imobilizado

IAS 16 - ativo imobilizado - cpc 27

É importante que você conheça também o CPC 27 – Ativo Imobilizado. Pois, saiba que ele traz várias informações importantes a respeito da atividade. E a reavaliação de ativos é essencial em certos momentos específicos.

Primeiramente, confira onde o pronunciamento não é aplicado:

  • Ativos (imobilizados): que sejam classificados em manutenção de venda;
  • Biológicos (ativos): com relação direta as atividades agrícolas desde que não sejam consideradas plantas portadoras;
  • Reconhecer/mensurar os ativos para avaliação e exploração;
  • Direitos em jazidas e em reservas de minerais (petróleo, carvão mineral, gás natural, entre outros).

Por certo, entenda que a real aplicação comporta os ativos que são imobilizados. Que são utilizados no desenvolvimento e na manutenção dos ativos presentes nas linhas (B e D). Para saber mais detalhes confira a documentação completa do pronunciamento.

Outras informações importantes

Existem ainda outras informações que vale a pena conhecer na reavaliação de ativos. Dessa maneira, entenda que até o ano de 2.008 essa alternação (atualização) nos valores podia ser feita nos seguintes cenários:

  • Caso a empresa optasse por uma reavaliação de ativos próprios voluntariamente;
  • Quando houvesse uma solicitação através das empresas coligadas ou mesmo controladas;
  • No momento em que acontecessem fusões, cisões ou incorporações.

Com isso, saiba que a contabilização de reavaliação de ativos imobilizados era feita de modo eficiente. Visto que tal estratégia tinha foco direto nos bens da categoria para achar um valor pertinente.

Desse modo, compreenda que na análise ocorria a substituição dos valores que estavam inclusos no registros da contabilidade da empresa. Vale dizer que caso o item aumentasse de valor na reavaliação, haveria incidência do impostos no lucro (diferença) dos dados.

Contudo, saiba que esta análise era realizada mediante a um determinado laudo (específico). E não através de um gestor, e o documento carecia de uma elaboração feita por ao menos 3 peritos.

Ou mesmo por alguma instituição que seja especializada neste assunto, a fim de que tudo saísse conforme o esperado. Com isso, entenda que na documentação da reavaliação de ativos havia:

  • A descrição dos bens (avaliados);
  • A parte contábil do ativo (identificação);
  • Critérios presentes na avaliação;
  • Valores dos bens;
  • Período da vida útil do ativo;
  • Data da avaliação.

Por fim, compreenda que a reavaliação de bens do ativo imobilizado quando permitido exigia várias etapas. Entretanto, saiba que após a proibição do método, as empresas não podem mais utilizar essa solução.

Perguntas

O que é a reavaliação de ativos?

Basicamente a reavaliação de ativos consiste num processo da área contábil. Onde os valores dos bens são atualizados seguindo os padrões apresentados no mercado.

Como contabilizar a reavaliação de ativos?

Na contabilização desta reavaliação é preciso efetuar um baseamento através de laudo (fundamentado). Onde haja critérios para avaliações e elementos comparativos que sejam adotados.

O que é reavaliação de ativos imobilizados?

A reavaliação de ativos imobilizados é o processo de atualização do valor dos ativos imobilizados para o valor de mercado.

Como contabilizar a reavaliação de ativos imobilizados?

A reavaliação de ativos imobilizados deve ser contabilizada como um aumento do valor do ativo e um aumento no patrimônio líquido.

Qual é a diferença entre reavaliação de ativo imobilizado e reavaliação de ativos?

A reavaliação de ativo imobilizado é um tipo de reavaliação de ativos. A reavaliação de ativos é o processo de atualização do valor de todos os ativos para o valor de mercado.

É permitida a reavaliação de ativos?

De acordo com a Lei 11.638/2007 (S/A) a prática foi proibida aqui no Brasil. Já que muitas empresas utilizavam isso para aumentar o próprio patrimônio líquido, o que acabava prejudicando os pequenos investidores.

Como reavaliar um ativo imobilizado?

Para reavaliar um certo ativo temos a diferença nos valores líquidos (contábeis) e o seu valor no mercado. Desse modo, compreenda que o laudo é feito por ao menos 3 peritos especializados.

Qual a diferença entre impairment e a reavaliação de ativos?

O teste de impairment serve para mostrar o valor de um bem que é distinto do contabilizado. Já o processo de reavaliação de ativos atualiza os valores dos itens para adequá-los ao mercado atual.

A reserva de reavaliação foi extinta?

Sim, a reserva de reavaliação foi extinta pela Lei 12.973/2014.

Conclusão

A reavaliação dos ativos é uma tarefa interessante que foi muito aplicada anteriormente pelas empresas. Dessa maneira, compreenda que ela engloba a atualização dos valores até que eles cheguem as contabilizações corretas.

Contudo, entenda que com o uso errôneo por parte de muitos empreendimentos a estratégia foi proibida no Brasil. Ao passo que momentaneamente isso não pode ser realizado nos ativos imobilizados.

Assim atualmente é apenas possível conhecer a reavaliação de ativos mas a aplicação não é mais permitida. E cabe as organizações estarem cientes disso para que possam seguir a lei corretamente.

5 2 votes
Avaliação do artigo
Subscribe
Notify of
guest
0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments
Você quer um inventario mais eficiente?
Beneficie-se com o rastreio em tempo real, redução significativa de perdas e um aumento notável na velocidade dos processos de gestão de ativos e estoques.
Sobre o Grupo CPCON
No Grupo CPCON, você encontra soluções especializadas em gestão de ativos e estoques, com ênfase na tecnologia RFID, para otimizar e agilizar seus processos. Oferecemos serviços como inventário de ativos, gestão de ativos de TI, consultoria imobiliária, reconciliação fiscal-física e automação com RFID. Além disso, temos gestão de estoque, serviços de avaliação, soluções ágeis, software e consultorias variadas. Nossa vasta experiência, incluindo trabalhos com clientes renomados como Caixa Econômica, Vale e Petrobras, reforça nosso compromisso com ética e proteção de dados.
Guias
Soluções
Cansado de erros e imprecisões na Gestão de Seus Ativos e Estoques?
Experimente a precisão e eficiência da tecnologia RFID do Grupo CPCON. Com rastreamento em tempo real e uma drástica redução nas perdas, acelere os processos de inventário e gestão em sua empresa. Transforme sua gestão de ativos hoje mesmo!
Em destaque

Conteúdos Relacionados a ,

Comitê de Pronunciamento Contábeis

CPC 02 R2 e os Efeitos das Demonstrações Contábeis

O CPC 02 tem por objetivo determinar como incluir transações em moeda estrangeira e operações no exterior nas demonstrações contábeis de uma entidade no Brasil e mostrar como converter as demonstrações contábeis de entidade no exterior para a moeda de apresentação das demonstrações contábeis no Brasil para fins de registro da equivalência patrimonial.

Continuar lendo »
Comitê de Pronunciamento Contábeis

CPC 14 e os Instrumentos Financeiros

O Pronunciamento Técnico CPC 14 tem por objetivo estabelecer princípios para o reconhecimento e a mensuração de ativos e passivos financeiros e de alguns contratos de compra e venda de itens não financeiros e para a divulgação de instrumentos financeiros derivativos.

Continuar lendo »
Novidades

Conteúdo Recentes

Rolar para cima