RFID para controle patrimonial

RFID para Controle Patrimonial
O RFID para controle patrimonial é excelente e consegue trazer ótimos resultados. Já que otimiza processos e permite ganho de tempo.

O controle patrimonial com RFID oferece uma solução completa para empresas que buscam otimizar a gestão de ativos, reduzir custos, aumentar a segurança e tomar decisões mais assertivas. Com diversos benefícios e aplicações, a tecnologia RFID se torna um investimento estratégico para empresas de todos os portes e segmentos.

Visto que a tecnologia em questão consegue otimizar as tarefas de leitura, sendo alternativa ao código de barras. Então leia o artigo e descubra várias informações essenciais a respeito do RFID.

Está encontrando dificuldades para controlar seus ativos patrimoniais?

A tecnologia RFID pode simplificar e otimizar o gerenciamento dos seus bens, proporcionando rastreamento preciso e eficiente.

Falar com um especialista

Por que usar RFID para controle patrimonial?

Você deve compreender que usar o RFID para Controle Patrimonial é importante. Afinal, entenda que é bem complicado de manter organizados os ativos imobilizados de uma empresa.

E mesmo com diversas tecnologias, ainda assim muitas vezes a tarefa é complexa. Contudo, compreenda que as etiquetas de RFID conseguem ser bem práticas e otimizam este processo.

Uma vez que elas funcionam pela radiofrequência e armazenam as informações dos produtos (itens). Com isso, saiba que as mesmas criam tal identificação mesmo estando distante.

Certamente, você ganhará tempo nas mais diversas tarefas e os dados serão mais precisos. Fazendo com que a empresa possa colher frutos positivos e se manter em plena organização.

As Vantagens do RFID no Controle Patrimonial

Realmente são muitas as vantagens do RFID para Controle Patrimonial e isso impacta diretamente nas empresas. De tal forma que além de gerar otimizações consegue diminuir o tempo gasto nas tarefas.

Com isso, confira na lista abaixo alguns dos benefícios da tecnologia na gestão ode patrimônio:

  • A leitura não precisa ter um contato visual;
  • Permite leituras em diversas tags ao mesmo tempo;
  • Não há necessidade de localizar tais etiquetas;
  • Diminuição no tempo de leitura;
  • Consegue ler as etiquetas com mais rapidez, mesmo em locais que sejam mais difíceis;
  • Detecta os dados e realiza contagens instantâneas;
  • É durável e possibilita reuso das etiquetas;
  • Otimizações na área de estoque;
  • Evita com que haja desvios, fraudes e até falsificações.

Certamente, entenda que o RFID para Controle Patrimonial será importante e ajuda na organização. Visto que a tarefa pode ser complexa dependendo do tamanho da empresa e da quantidade de itens.

O que é RFID?

ciclo rfid

O RFID (Radio-Frequency Identification) é uma tecnologia moderna que funciona através de radiofrequência. Desse modo, compreenda que ele utiliza etiquetas inteligentes que contém dados (codificados).

Ao passo que tais informações digitais são captadas pelo leitor que usa as ondas de rádio. Enquanto que existe uma antena específica que ajuda no processo de conexão dos dados. Com isso, entenda que o RFID para Controle Patrimonial pode contribuir em muitos aspectos nas empresas.

Como funciona?

infográfico sistema rfid passivo
Sistema de RFID passivo. Para saber mais sobre a diferença entre sistemas ativos e passivos clique aqui

O modo na qual o RFID funciona é conhecido como identificação (automática) e também captura das informações. Dessa forma, compreenda que ele é conhecido como método AIDC, servindo para detectar os objetos.

Nisso, saiba que isso é feito automaticamente, obtendo os dados e inserindo o conteúdo nos sistemas. E isso pode ser feito com ou sem que haja alguma intervenção humana.

Por certo, você deve saber que simplificando seria basicamente:

  • Ele utiliza três componentes, sendo a etiqueta (inteligente), o leitor e antena;
  • Essas etiquetas possuem um certo circuito que é integrado e também a própria antena;
  • Sendo que isso possibilita a transmissão de dados usando o leitor.

Assim, entenda que o RFID para Controle Patrimonial acaba sendo fundamental para ganho de tempo. Já que os dados são obtidos mesmo à distância e irá até um sistema de armazenamento (banco de dados). A fim de que sejam analisados posteriormente.

RFID vs Código de Barras: Uma Comparação

gráfico de radar comparativo entre RFID, Código de Barras e NFC, visualizando diferentes critérios de desempenho. Este gráfico oferece uma visão clara das forças e fraquezas de cada tecnologia em várias dimensões: Custo de Implementação: O RFID tem um custo mais elevado, enquanto o código de barras é mais econômico e o NFC tem um custo intermediário. Alcance de Leitura: O RFID destaca-se com um alcance de leitura mais longo. O NFC tem um alcance muito curto, e o código de barras necessita de contato visual direto. Precisão: Todas as três tecnologias têm alta precisão, com o RFID e o NFC um pouco à frente do código de barras. Resistência a Interferências: NFC tem alta resistência a interferências, RFID tem uma resistência moderada, e o código de barras é o mais suscetível a interferências. Privacidade e Segurança: O NFC lidera em termos de privacidade e segurança, seguido por RFID e depois código de barras, que tem a menor capacidade de criptografia e segurança. Este gráfico oferece uma compreensão abrangente de como cada tecnologia se compara em aspectos chave, ajudando a informar a escolha da tecnologia apropriada para diferentes aplicações.​

Embora sejam tecnologias com algumas semelhanças é preciso que você entenda que existem diferenças. Pois, compreenda que o código de barras tem uma representação numérica que o identifica.

Dessa maneira, saiba que isso é atribuído aos produtos, ativos, unidades de logística, entre outros. Enquanto que o RFID é mais prático e não precisa estar próximo do item para realizar a leitura.

Além disso, entenda que o código de barras tem essas características:

  • Usa efeitos fotoelétricos;
  • Identifica a classe destes objetos;
  • A faixa para reconhecer é bem próxima;
  • Ele é lento para fazer a leitura;
  • Não pode ser renovável e é pequeno;
  • Nem é a prova de água e nem de corrosão;
  • Baixo custo.

Agora entenda que com o uso do RFID para Controle Patrimonial as vantagens são muitas. Confira os aspectos do RFID:

  • Reconhece pela radiofrequência;
  • Um só objeto é identificado;
  • Faixa de até 100 centímetros;
  • Rapidez na identificação;
  • Grande e pode ser atualizado;
  • Impermeável e anti-corrosão;
  • Alto custo.

Decerto, compreenda que ambas as tecnologias são interessantes e eficazes. Entretanto, saiba que o RFID se destaca bem mais e traz ainda mais vantagens aos usuários.

Etiquetas RFID: O que são e como funcionam?

A tecnologia de comunicação da etiqueta RFID

As etiquetas RFID consistem em componentes (dispositivos) que servem para identificar e rastrear. Dessa forma, compreenda que elas contam com um sinal (radiofrequência) que permite a leitura.

Assim, saiba que temos a antena, o leitor e o chip (micro) inclusos no interior da mesma. Onde há também um tipo de Tag que apresenta diversos formatos. Enquanto que é feito pelo material de silicone ou de plástico.

Com isso, saiba que é possível utilizar essas etiquetas para:

  • Controlar os acessos;
  • Identificar (biometria) nas identidades e passaportes;
  • Rastrear animais;
  • Evitar furtos;
  • Controlar a velocidade nos eventos (esportivos);
  • Entre outras atividades.

Por certo, compreenda que o RFID para Controle Patrimonial funciona parecido com o código de barras. Entretanto, saiba que é uma tecnologia muito mais eficiente e moderna. Já que a leitura é feita com mais rapidez, em lotes e ainda não precisa de proximidade da etiqueta.

Implementando RFID para Controle Patrimonial

7 Passos para Implementar um Sistema RFID

A fim de implementar o sistema RFID em sua empresa saiba que é preciso fazer alguns passos. Dessa maneira, você terá ótimos resultados e verá a diferença que esta tecnologia é capaz de proporcionar.

Veja quais são os principais passos:

  1. Elabore objetivos: como haverá mudanças na produção e na gestão, será preciso avaliar o tempo de adaptação. Para que seja possível integrar o sistema a realidade da empresa;
  2. Avaliar limitações nas etiquetas: mesmo sendo uma tecnologia moderna e incrível ainda existem limitações no RFID. Por isso, saiba que você certos produtos e materiais podem atrapalhar a leitura;
  3. Corrigir os processos: faça as correções necessárias nas atividades que já estão sendo usadas atualmente na empresa. Afinal, compreenda que o RFID não corrige erros existentes e isso é preciso analisar;
  4. Aprimorar a gestão: o RFID para Controle Patrimonial carece também de correções na própria gestão. Ou seja, os profissionais e colaboradores tem que entender a tecnologia para melhores práticas;
  5. Limite de caracteres: a Tag de RFID tem limitação e aceita até 24 caracteres. Desse modo, você precisa se atentar a este detalhe;
  6. Tipo de etiqueta: analise as opções que se encontram no mercado. Pois, entenda que elas se diferenciam e cada uma tem suas próprias vantagens;
  7. Adaptação aos poucos: antes de implementar o RFID em toda a empresa ou negócio, priorize alguma área. Depois de testes realizados, aí sim será possível incluir a tecnologia de forma total.

Escolhendo o Fornecedor de Soluções RFID ideal

Outro detalhe do RFID para Controle Patrimonial é que o fornecedores deve ser competente. Desse modo, compreenda que isso evitará uma série de problemas, tais como:

  • Etiquetas que sejam irregulares, porém que custam altos valores;
  • Rótulos com projeções errôneas ou problemas cromáticos;
  • A não entrega no período combinado;
  • Se a pós-venda não for adequada, não haverá soluções rápidas para a questão.

Então, você deve saber que é preciso avaliar muito bem o seu fornecedor. Já que o mesmo será fundamental na hora de lhe enviar as etiquetas. Sem dúvida, entenda que é preciso definir uma empresa que atenda ao que foi solicitado pelo cliente.

Desafios e Soluções na Implementação de RFID

Desafios Potenciais na Implementação de RFID

Você deve compreender também que o RFID para Controle Patrimonial engloba diversos aspectos. Enquanto que nem sempre é tão simples de realizar a implementação dele em uma empresa.

Dessa forma, saiba que é mais comum que grandes organizações tenham acesso a tecnologia. Visto que tais empecilhos ainda carecem de solução e precisam ser bem avaliados.

Confira quais são os principais obstáculos:

  • Alto custo: o RFID acaba sendo mais caro devido a necessidade de uso de um software e hardware adequados. Sendo que as próprias etiquetas tanto ativas quanto passivas tem preços acima do código de barras;
  • Interferências: mesmo com o RFID para Controle Patrimonial podem ocorrer da sensibilidade exagerada das etiquetas. Ao passo que metais e líquidos podem interferir no processo da leitura;
  • Ainda é pouco utilizada na Brasil: é uma tecnologia que ainda precisa ser bem mais conhecida no país. A fim de que haja realmente um processo de transformação nas empresas. Uma vez que as etiquetas e os softwares conseguem gerar ótimos resultados.

Soluções e Dicas para Superar Desafios

Existem algumas dicas que você pode usar na organização para auxiliar na implementação do RFID. De tal forma que a primeira delas é buscar empresas que atuem com Integração de RFID, hardware e software.

Pois, compreenda que isso fará com que fique mais simples de avaliar a organização como um todo. Por certo, saiba que consultar outros parceiros que já usem a tecnologia também é fundamental.

Enquanto que ele será capaz de mostrar os possíveis retornos em investimentos obtidos pelo RFID. Além de poder lhe trazer conhecimento e informar sobre as experiências atuais.

Com isso, entenda que o RFID para Controle Patrimonial envolve algumas atitude, tais como:

  • Criar um comitê de gestão para organizar este projeto;
  • Identificar os maiores problemas;
  • Mapear as operações;
  • Fazer a escolha correta do hardware;
  • Elaborar metas que sejam alcançáveis;
  • Ter comunicação com a equipe;
  • Entre outras.

Estudos de Caso: RFID para Controle Patrimonial na Prática

Nada melhor do que exemplos da vida real para ilustrar o impacto e a eficácia da tecnologia RFID no controle patrimonial. Vamos dar uma olhada em dois estudos de caso que destacam como diferentes organizações implementaram com sucesso a tecnologia RFID para melhorar seu controle patrimonial.

Estudo de Caso 1: A Biblioteca Pública de Seattle

A Biblioteca Pública de Seattle, nos Estados Unidos, enfrentava um desafio comum a muitas bibliotecas: o controle de seu vasto acervo de livros. Com milhares de itens circulando diariamente, o rastreamento manual e o controle de inventário eram tarefas hercúleas e propensas a erros.

Para resolver esse problema, a biblioteca implementou um sistema de RFID. Cada livro foi equipado com uma etiqueta RFID, que armazena informações sobre o livro e pode ser lida remotamente por scanners RFID. Isso permitiu à biblioteca automatizar muitas de suas tarefas de controle de inventário, como check-in e check-out de livros, rastreamento de livros perdidos e gerenciamento de prateleiras.

O resultado? A biblioteca viu uma melhoria significativa na eficiência operacional, redução de erros e melhor controle de inventário. Além disso, a tecnologia RFID liberou o pessoal da biblioteca para se concentrar em tarefas mais importantes, como atendimento ao cliente e programação de eventos.

Estudo de Caso 2: Hospital Universitário de Ghent

O Hospital Universitário de Ghent, na Bélgica, enfrentava o desafio de rastrear e gerenciar seus muitos ativos valiosos, incluindo equipamentos médicos, dispositivos e suprimentos. O rastreamento manual desses itens era demorado e propenso a erros, resultando em perda de ativos e ineficiências operacionais.

Para resolver esse problema, o hospital implementou um sistema de RFID. Cada ativo foi equipado com uma etiqueta RFID, permitindo que o hospital rastreasse a localização e o status de cada item em tempo real. Isso não só melhorou a eficiência operacional, mas também reduziu a perda de ativos e melhorou a gestão de inventário.

O resultado? O hospital viu uma melhoria significativa na eficiência operacional e na gestão de ativos. Além disso, a tecnologia RFID permitiu ao hospital melhorar o atendimento ao paciente, garantindo que os equipamentos e suprimentos necessários estivessem sempre disponíveis quando necessários.

Esses estudos de caso ilustram o poder e a eficácia da tecnologia RFID no controle patrimonial. Seja em uma biblioteca pública ou em um hospital universitário, a RFID provou ser uma ferramenta valiosa para melhorar a eficiência operacional e a gestão de ativos.

Conclusão

De acordo com o que foi explicado no artigo o RFID é uma tecnologia de ponta que pode contribuir bastante. Afinal, entenda que ela otimiza a leitura através de etiquetas inteligentes e isso gera muito ganho de tempo.

Ao passo que evita erros e falhas manuais e ainda usa um software e hardware específicos. Que conseguem trazer os dados das etiquetas e armazena-os em um banco de dados para posterior avaliação.

Por certo, saiba que toda essa organização das informações é de extrema importância. Tanto que mostra que o RFID para Controle Patrimonial é realmente uma ótima opção em tecnologia moderna. Sendo superior ao atual código de barras e a outros métodos similares.

Perguntas Frequentes (FAQs)

O RFID é a única tecnologia para controle patrimonial?

Não. Embora seja uma dos mais eficiente e rápidos, o RFID não é o único tipo de tecnologia para gestão de patrimônio. Dessa maneira, saiba que temos os códigos de barras, QR Codes, sistemas de gestão, Beacons, entre outros tipos.

Quais são as alternativas ao RFID para controle patrimonial?

Existem várias alternativas no mercado, sendo o código de barras o mais conhecido. Contudo, saiba que temos outros sistemas voltados para gestão, QR Codes e outras tecnologias de ponta.

O RFID é adequado para pequenas empresas ou é mais útil para grandes corporações?

Atualmente devido aos custos ele acaba sendo bem mais utilizado nas grandes empresas. Porém, entenda que ele pode ser implementado em organizações de diferentes tamanhos.

Quais são os custos envolvidos na implementação de um sistema RFID para controle patrimonial?

Para aplicar o RFID para Controle Patrimonial é preciso avaliar todos os custos. Que englobam as etiquetas, os softwares, hardwares e toda a infraestrutura que será utilizada na implementação do método.

Existem questões de privacidade ou segurança que eu deveria estar ciente ao usar RFID para controle patrimonial?

Sim. Devido ao fato de ter tags lidas a distância é possível que terceiros obtenham esse acesso. Ou seja, será possível descobrir os valores dos objetos com essas etiquetas (residências) e até descobrir o patrimônio local.

5 1 vote
Avaliação do artigo
Subscribe
Notify of
guest
0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments
Você quer um inventario mais eficiente?
Beneficie-se com o rastreio em tempo real, redução significativa de perdas e um aumento notável na velocidade dos processos de gestão de ativos e estoques.
Sobre o Grupo CPCON
No Grupo CPCON, você encontra soluções especializadas em gestão de ativos e estoques, com ênfase na tecnologia RFID, para otimizar e agilizar seus processos. Oferecemos serviços como inventário de ativos, gestão de ativos de TI, consultoria imobiliária, reconciliação fiscal-física e automação com RFID. Além disso, temos gestão de estoque, serviços de avaliação, soluções ágeis, software e consultorias variadas. Nossa vasta experiência, incluindo trabalhos com clientes renomados como Caixa Econômica, Vale e Petrobras, reforça nosso compromisso com ética e proteção de dados.
Guias
Soluções
Cansado de erros e imprecisões na Gestão de Seus Ativos e Estoques?
Experimente a precisão e eficiência da tecnologia RFID do Grupo CPCON. Com rastreamento em tempo real e uma drástica redução nas perdas, acelere os processos de inventário e gestão em sua empresa. Transforme sua gestão de ativos hoje mesmo!
Em destaque
Novidades

Conteúdo Recentes

Rolar para cima