Valor Justo é o mesmo que Valor de Mercado? Entenda a diferença

Valor Justo é o mesmo que Valor de Mercado? Entenda a diferença

Valor justo é um termo amplamente utilizado no mundo financeiro e é comum encontrar pessoas que confundem seu significado com Valor de Mercado, outro conceito também muito importante no meio, e que em diversas situações tendem a convergir.

De fato, os dois valores são parecidos em suas definições, por isso é preciso atentar-se para não cometer equívocos. Para te ajudar nessa, separamos aqui as definições de cada um, bem como o que difere os dois. Aproveite!

O que é valor justo?

A adoção do Valor Justo, termo em português para “Fair Value”, no Brasil veio por meio da convergência para a contabilidade internacional por meio do IFRS e o surgimento do Comitê de Pronunciamentos Contábeis. O Pronunciamento Técnico CPC 46 (IFRS13)  define valor justo como: “o preço pelo qual uma transação não forçada para vender o ativo ou para transferir o passivo ocorreria entre participantes do mercado na data de mensuração sob condições correntes de mercado (ou seja, um preço de saída na data de mensuração do ponto de vista de participante do mercado que detenha o ativo ou o passivo)”.

Colocando de um jeito mais simples, Valor Justo consiste no preço que ambas as partes envolvidas na transação estão dispostas a aceitar, de forma que não prejudique nenhuma das duas. Resumidamente, é o valor que você se dispõe a receber e o outro a pagar por determinada negociação de ativos ou passivos.

Aplicações e métodos do valor justo

A CPCON atua em vários projetos definindo o Valor Justo e emitindo laudos para várias aplicações como Reavaliação de ativos, Teste de Impairment, Combinações de negócios, Propriedades para investimento. Além disso o valor justo também é aplicado em Títulos e valores mobiliários, Derivativos, Reconhecimento de receitas, Ativos biológicos, dentre outros.

  • Abordagem de Mercado: utiliza preços que foram observados e outras informações relevantes ao que será avaliado, em transações no mercado que envolvem ativos ou passivos considerados semelhantes.
  • Abordagem de Receita: também é conhecida por Fluxo de Caixa Descontado e mensura montantes futuros em um valor presente, mediante à uma taxa de desconto.
  • Abordagem de Custo: conhecida por custo de reposição do ativo. O próprio CPC 46 alerta que: “O custo de reposição é geralmente utilizado para ativos tangíveis”. Isso porque esse método utiliza como base o custo de reposição ou de substituição. Além disso, também pode ser utilizado o ajuste por obsolescência do ativo. Às vezes o ativo ainda possui uma Vida Útil remanescente considerável, porém é obsoleto em termos de mercado. Nesses casos, deve ser depreciado no seu valor final. 

Exemplificando Valor Justo

Para exemplificar, vamos supor que você compre um prédio comercial por um valor X. Após isso, realiza diversas reformas nele, a fim de transformá-lo em um lugar melhor, de acordo com suas necessidades. Depois de um tempo resolve que quer vender o imóvel. O prédio foi valorizado por conta das reformas, por isso seu valor será maior que X. Então, uma pessoa se depara com o anúncio, acha o preço justo, devido às melhorias, e resolve fechar negócio. Neste exemplo, X representa o Valor Justo.

Para chegar a essa conclusão, basta levar em conta que as duas pessoas envolvidas na transação do imóvel tinham plena consciência do porquê de tal quantia e concordavam com as justificativas apresentadas. Quando se fala em valor de mercado a dinâmica é um pouco diferente, a seguir você irá compreender por quê.

O que é valor de mercado?

A norma NBR 14.653 entende valor de mercado como: “quantia mais provável pela qual se negociaria voluntariamente e conscientemente um bem, numa data de referência, dentro das condições do mercado vigente.

De maneira resumida, é o valor decidido, tomando como base uma pesquisa de mercado, onde são analisados produtos equivalentes a fim de chegar a um preço condizente com o da concorrência.

Lembra do prédio comercial do exemplo anterior? Vamos supor que, após realizar uma pesquisa de mercado e basear-se em preços de imóveis em condições parecidas com o seu, você decide colocá-lo à venda por um valor Y, justamente por constatar que ele vale isso. Então, o preço Y refere ao Valor de Mercado.

Qual a diferença entre valor justo e valor de mercado?

Por mais que pareçam semelhantes, os valores diferenciam-se nos detalhes. O valor justo é mensurado a partir da pesquisa de mercado no qual representa o valor atual do ativo, enquanto o valor de mercado é o valor mensurado por pesquisa de mercado.

Enquanto o valor justo tem como principal característica as duas partes sendo conhecedoras das questões que envolvem a transação, o valor de mercado se apresenta em condições diferentes. E, refere-se ao valor que leva em consideração a situação apontada pelo mercado.

É importante destacar também que para determinadas avaliações de ativos o valor de mercado é utilizado como referência, a fim de encontrar o valor justo. Portanto, valor justo e valor de mercado não são sinônimos, mas podem trabalhar juntos ou até mesmo convergirem para o mesmo resultado

Voltando ao exemplo do prédio comercial, vamos supor que você decida contratar uma empresa como a CPCON para avaliar seu imóvel. Para isso, a CPCON irá fazer uma pesquisa de mercado.

Então, irá olhar os preços dos imóveis nos arredores, com atributos semelhantes aos do seu, a fim de obter uma visão geral. Após uma apuração cuidadosa, a companhia utilizará esses dados para ajudar na definição do valor mais justo para colocar seu prédio à venda.

Portanto, valor justo é diferente de valor de mercado. Entretanto, os dois são conceitos distintos que podem trabalhar em conjunto e funcionam muito bem assim. 

Agora que você conhece os dois termos e sabe distingui-los perfeitamente, ficará mais fácil aplicá-los a fim de conseguir os melhores resultados com essa ação.

Para saber mais sobre o Grupo CPCON, acesse aqui!

Deixe uma resposta