O que é DRE e qual a sua importância para a contabilidade?

O DRE é um documento contábil fundamental para a empresa conhecer sua saúde financeira em um determinado período de tempo. E, também, obter sucesso no mercado.
O que é DRE e qual a sua importância para a contabilidade

A sigla DRE é extremamente recorrente para quem trabalha ou entende do mundo da contabilidade. Por isso, essa palavra não é a junção de três letras aleatórias. DRE significa Demonstração do Resultado do Exercício e se caracteriza por ser uma ferramenta de gestão contábil.

Dessa forma, a DRE é um documento empresarial que relata todas as operações financeiras da companhia em um período específico. E por meio dele, os gestores conseguem as informações para verificar se as atividades da empresa geram lucro ou prejuízo.

Ou seja, os empreendedores e gestores de uma companhia precisam conhecer e saber da importância da DRE. Já que esse documento é parte do cotidiano empresarial e fundamental para verificar a saúde financeira do empreendimento. Além de definir e impactar as decisões da companhia.

No entanto, a DRE pode ser burocrática porque é parte de exigências fiscais e contábeis, sendo obrigatório, e fazer parte do Balanço Patrimonial. Esse documento também precisa ter uma assinatura de um contador do Conselho Regional de Contabilidade e ser feito a cada ano.

Descubra mais sobre a DRE e sua importância nesse artigo, já que conhecer e usar esse instrumento permite uma ótima organização financeira. De forma que esse documento contábil anual fará com que o empresário entenda e saiba como melhorar os objetivos financeiros da companhia.

O que significa DRE?

No mundo financeiro e da contabilidade, há inúmeros indicadores, métricas e relatórios que auxiliam na avaliação da saúde financeira da empresa. Dentre os relatórios, os mais utilizados e importantes são o DRE, Balanço Patrimonial e Demonstrativo de Fluxo de Caixa.

DRE é a sigla para Demonstração do Resultado do Exercício. No entanto, mais do que uma sigla, essa é a denominação para um relatório que informa todas as operações financeiras de uma empresa.

As operações financeiras que se apresentam no DRE ocorrem em um período de tempo, geralmente de doze meses. De maneira que essa demonstração apresenta uma síntese dos dados contábeis da empresa.

Esses dados, com a saúde financeira da empresa, apresentam se a companhia teve lucro ou prejuízo do exercício. Assim, é por meio da comparação entre despesas e receitas que se chega ao resultado líquido da instituição. Mas também ao resultado operacional.

Regime de competência, Resultado Operacional e Resultado Financeiro

O Regime de competência, Resultado Operacional e Resultado Financeiro aparecem no DRE e são importantes para esse relatório. O primeiro é exigido por lei e um dos regimes mais benéficos para o controle tributário.

Ou seja, o regime de competência é uma forma de registrar os lançamentos contábeis durante o período de competência de receitas. Assim como nas despesas efetuadas e sempre no exato momento em que ocorrem.

Portanto, o regime de competência diz respeito ao registro de uma atividade quando a transação acontece. E isso sem considerar o recebimento monetário, apenas a data do fato gerador.

O Resultado Operacional é um dado que demonstra o lucro de uma empresa. No entanto, frisa-se que essa informação desconsidera os juros e impostos dos lucros obtidos. Já o Resultado Líquido se dá quando o gestor subtrai o resultado operacional e as despesas financeiras. De modo a mostrar o montante que resta para a empresa.

Portanto, esses três informam sobre aspectos orçamentários da empresa e, principalmente, sobre o desempenho das operações. Isso é, mostra se as operações da companhia geram lucro ou prejuízo.


Qual é o objetivo do DRE?

Ao mostrar os resultados das ações, sejam operacionais ou financeiros, da empresa de maneira simples e em síntese, a DRE apresenta todas as atividades gerenciais e fiscais e seus impactos. Como, por exemplo, os custos e os impostos e taxas recolhidas. Por isso, esse documento é importante para diversos setores da companhia, como o gerencial e o contábil. 

Portanto, a Demonstração do Resultado do Exercício tem como objetivo mostrar os resultados das atividades empresariais. E isso para que os gestores avaliem quais as ações que precisam tomar em um futuro, seja a curto, médio ou longo prazo.

Com a DRE, os gestores visualizam de forma estruturada e sintetizada os indicadores financeiros. E isso ocorre para mostrar os resultados e os motivos de lucros ou prejuízos financeiros.

DRE e o CPC 26

DRE e o CPC 26

O pronunciamento técnico CPC 26 discorre sobre as demonstrações contábeis. Assim, o CPC 26 apresenta e divulga informações referentes entre as demonstrações contábeis e entre elas está o DRE.

O CPC 26, assim como outros pronunciamentos técnicos, tem como objetivo uniformizar e atuar em consonância com as regras internacionais. Dessa forma, as demonstrações contábeis das empresas brasileiras seguirão as mesmas normas que companhias ao redor do mundo.

Esse pronunciamento técnico garante que qualquer demonstração contábil possa ser comparada com outras da mesma empresa ou de outras companhias. Por isso, ao considerar o CPC 26, os gestores da empresa conhecerão as diretrizes e os requisitos mínimos das demonstrações.

Ao ler e interpretar o CPC 26, encontra-se a definição do DRE que é um relatório que resume as operações que a empresa fez. E nesse relatório haverá dados como despesas, contas de receita, investimentos, despesas e provisões. Esses  que evidenciam a formação do resultado líquido da companhia no período analisado.

O que deve constar no DRE?

A Demonstração do Resultado do Exercício, DRE, se baseia no artigo 187 da Lei nº 6.404/1976. Por isso, essa lei estabeleceu o modelo de DRE que todas as empresas precisam seguir.

A Lei 6.404/1976 é a Lei das Sociedades por Ações e foi a responsável por instituir a DRE. Ela mostra como a empresa deve dividir as ações em partes iguais e os sócios e acionistas têm que manter a divisão de capital a um preço limitado. Além disso, de acordo com o Código Civil Brasileiro, a DRE também pode ser nomeada por resultado econômico.

E a diretriz que rege esse conceito exige que o empresário e a sua sociedade, obrigatoriamente, precisam seguir um sistema de contabilidade. Esse que se baseia na escrituração uniforme e no levantamento anual do balanço patrimonial e do resultado econômico.

Portanto, ao seguir a lei e a diretriz mencionadas, exige-se que as empresas precisam que sua DRE possua:

  • A receita líquida de vendas e serviços, além do custo das mercadorias e lucro bruto;
  • A receita bruta de vendas e serviços, deduções de vendas, impostos e abatimentos;
  • Diversas despesas como vendas, financeiras, receitas, gerais, administrativas e operacionais;
  • Lucro ou prejuízo operacional;
  • Prejuízo ou lucro do exercício, assim como seu montante por ação em relação ao capital social;
  • Dados do Imposto sobre a Renda, como provisão e resultado do exercício antes desse imposto;
  • Participações de partes beneficiárias e obrigatórias, como empregados e administradores, e de empresas que não são despesas empresariais.

Qual é o objetivo do Balanço Patrimonial?

O Balanço Patrimonial, assim como o DRE, é uma ferramenta importantíssima para as empresas e sua saúde financeira. Desse modo, ele é um relatório contábil que tem como objetivo apresentar toda a situação econômica da companhia em um período específico.

Esse relatório sempre considera os ativos e passivos da empresa, ou seja, os bens, recursos, dívidas e lucros. E isso para apresentar de modo mais claro e preciso possível o financeiro da empresa.

Portanto, o balanço patrimonial faz um levantamento de todos os bens e direitos da empresa. E com ele, o gestor terá informações para a tomada de decisões relacionadas aos investimentos e suas fontes de recursos.

O que é DRE na contabilidade e como funciona?

O DRE é um relatório essencial para a contabilidade de uma companhia, não só pelos dados que apresenta, mas por ser obrigatório legalmente. Assim, esse documento apresenta informações básicas e fundamentais sobre como o lucro ou prejuízo de uma empresa se formaram. E isso no momento do exercício.

No entanto, uma das principais características do DRE é que é o contador que elabora esse relatório e não gestores. Ou seja, para concluir o objetivo de apresentar os resultados para investidores, bancos e governo, um contador precisa fazer o DRE.

A DRE funciona para que seja possível avaliar a situação financeira e a capacidade da companhia. Para que com essa ferramenta, os gestores tomem decisões assertivas.

Além disso, para fins legais, ela precisa ser feita anualmente e esse relatório anual precisa ser completo, transparente e preciso. Já para fins administrativos, como monitorar os gastos fiscais, a empresa pode elaborar um relatório simplificado mensal ou trimestral.

Para que serve a Demonstração do Resultado do Exercício?

Com a DRE, a empresa terá uma visão ampla e geral do seu financeiro para ter informações relevantes e importantes. Como, por exemplo, montante de despesas, lucro com operações, impostos sobre os produtos, dividas e receita de vendas.

Ao conhecer esses dados, a empresa conseguirá desenvolver estratégias e tomar decisões precisas. Tudo isso para alcançar o objetivo de lucrar e se manter dentro do mercado ao ocorrer a análise crítica das informações e números financeiros.

Assim, a DRE tem importância para três grupos distintos dentro do mundo da contabilidade:

  • Gestores: esse grupo, ao usar as informações da DRE, criam suas estratégias e tomam decisões. Dessa forma, ao analisar os dados, conseguem uma visão critica da empresa e dos seus resultados para melhorá-los de forma eficiente;
  • Investidores e bancos: os investidores precisam conhecer a saúde financeira da empresa para decidirem se investirão ou não nas ações. E os bancos analisam essas informações para verificarem se é viável conceder crédito para a companhia;
  • Governo: é obrigatório que todas as empresas façam o DRE. Afinal, é por meio desse relatório que o governo verificará se a companhia fez corretamente o calculo do imposto de renda.

Quais as contas que entram na DRE?

O DRE mostrará para os gestores todos os valores fundamentais para que se saiba quais os resultados obtidos pela companhia durante determinado período de tempo. Para alcançar esses resultados, certas contas são essenciais para a DRE, são elas:

  • Receitas;
  • Custos;
  • Despesas;
  • Lucros;
  • Impostos.

Essas categorias de conta são fixas e obrigatórias, mas outras podem ser adicionadas se a atividade e o tamanho da empresa exigir.

Como é feito o cálculo do ponto de equilíbrio - dre

Como é feito o cálculo do ponto de equilíbrio?

O ponto de equilíbrio, ou break even point, ocorre quando as despesas da empresa e as receitas alcançam um equilíbrio. Ou seja, os lucros e prejuízos estarão zerados, de maneira que o faturamento da empresa é suficiente para sanar todas as suas despesas.

Assim, o gestor saberá que depois de sanar suas despesas, não haverá prejuízo para o negócio, no entanto também não haverá lucro.

Há algumas formas de calcular o ponto de equilíbrio, mas sua fórmula não significa a falta de lucro. Apenas mostra que a empresa não ficará negativa porque os lucros serão suficientes para acabar com as despesas administrativas.

No entanto, há três pontos de equilíbrio, e cada um tem sua própria forma e chegam a valores diferentes.

Ponto de equilibro contábil

O ponto de equilíbrio contábil é o mais comum dentre os pontos de equilíbrio empresariais. A sua forma é a mais simples e a mais utilizada, afinal a empresa só precisa possuir receita que cubra todos os seus custos e despesas fixas.

Ponto de equilíbrio financeiro

O ponto de equilíbrio financeiro é semelhante ao contábil, no entanto ele não considera em sua conta as depreciações e outras despesas desembolsáveis. Mas, ressalta-se que no DRE essas despesas são contabilizadas.

Dessa forma, a fórmula desse ponto de equilíbrio se caracteriza por ser:

Custos e despesas não desembolsáveis ÷ Margem de contribuição = Ponto de equilíbrio financeiro.

Ponto de equilíbrio econômico

O último dos três pontos de equilíbrio, o econômico, é a mais diferente de todas as outras. Afinal, ele mostra uma receita que, além de sanar todos os custos e despesas, também garante lucro. Mesmo que esse lucro seja mínimo.

Ou seja, o ponto de equilíbrio econômico apresenta mais do que uma receita que deixe o lucro e prejuízo zerados.  Portanto, sua fórmula é:

Custos e despesas fixas + Lucro mínimo ÷ Margem de contribuição = Ponto de equilíbrio econômico.

A fórmula comum

Mesmo que há diferentes fórmulas e pontos de equilibro, todos os três têm dados obrigatórios. Que são os custos e despesas fixas e a margem de contribuição. Por isso, para calcular o ponto de equilíbrio, deve-se usar a fórmula:

Custos e despesas fixas ÷ Margem de contribuição = Ponto de equilíbrio.

Ressalta-se que a margem de contribuição se encontra pela fórmula: Receita – custos e despesas variáveis. Assim, se chega ao valor que permitirá igualar todos os gastos e culminar no lucro.

O que não entra no DRE

O que não entra no DRE?

O DRE precisa de diversos valores de conta para ser gerado. Porém há alguns valores que não precisam constar no DRE. São eles:

  • Os prejuízos acumulados, que são excluídos da base de cálculo do IR e das participações;
  • As reservas e os dividendos não aparecem e nem afetam o resultado do exercício.

Quais são os cinco principais pontos que devem ser observados em um DRE?

Um dos relatórios mais importantes para a gestão contábil das empresas, a DRE também é legalmente obrigatória. Por isso, além de apresentar uma visão da situação financeira e auxiliar com decisões futuras, ela também possui outros benefícios empresariais que precisam ser observados e considerados.

Rentabilidade

A rentabilidade é o percentual de remuneração que a empresa recebe a partir do que investiu. Assim, o que a empresa vende também deve possuir rentabilidade e isso é possível de verificar pela DRE ao comparar com DREs anteriores.

Saber qual é a real situação da empresa

Além de dados burocráticos e operacionais, a DRE tem uma função estratégica. Ou seja, ela faz com que os gestores possuam uma compreensão global da situação da empresa. De modo que não se consideram apenas os números, mas também o cenário em que a empresa e seus dados se inserem.

Com isso, os gestores conseguem atingir um controle preciso das despesas e das receitas, e chegar a um equilibro entre esses dois fatores.

Corrigir falhas

Pela análise do DRE, a empresa conseguirá corrigir falhas e saber como intervir para que elas não aconteçam. Com isso, os gestores verificam se o lucro está comprometido com alguma despesa identificando os gargalos de produção. Assim como saber se há a possibilidade de otimizar recursos.

Captar investimentos

Ao conhecer dados e informações seguras e precisas sobre a real situação da empresa, investidores saberão se devem investir ou não na companhia. Ou seja, um investidor sempre buscará uma empresa sólida para decidir seus investimentos. E para saber essas informações, o investidor consultará a DRE da empresa.

Avaliar a gestão

Outro ponto que deve ser observado em um DRE é como as informações permitem que os gestores pensem em soluções para os problemas.

Portanto, com os dados desse relatório contábil é possível avaliar a gestão para ver se ela está sendo efetiva ou se precisa de mudanças, principalmente em relação à tomada de decisões. E tudo isso para que a empresa consiga cada vez receber mais resultados positivos em suas atividades.

Como é a forma de apresentação de uma DRE?

A DRE evidencia a formação do resultado líquido de um período para evidenciar a situação econômica da empresa. Assim, esse documento se apresenta de modo vertical, que também é chamado de dedutivo, ou horizontal. E essas são técnicas para produzir o resultado e, depois, compará-los.

Análise Horizontal (AH)

A Análise Horizontal mostra a evolução dos resultados com um período de tempo determinado, como anual, semestral ou mensal. Em relação ao DRE, o objetivo dessa análise é verificar se os valores aumentaram ou diminuíram se comparados com os anteriores.

Portanto, essa análise apresenta o desempenho financeiro para verificar sua evolução e comparar com valores anteriores. De maneira a auxiliar os gestores em suas conclusões e tomadas de decisão.

Para calcular a análise horizontal, utiliza-se essa fórmula:

AH = [ (valor atual ÷ valor base) – 1 ] x 100

Análise Vertical (AV)

Já a Análise Vertical faz uma análise das informações de cada setor da empresa. E isso com o objetivo de compreender o percentual de representatividade de cada um. Por isso, a AV mostra todos os resultados separados, para que a análise seja de cada um deles sendo possível verificar a influência deles no resultado final.

A Análise Vertical pode ser feita de cima para baixo ou de baixo para cima. O importante é reconhecer a representatividade de cada conta e sua relação com o valor total dos ativos e passivos. Dessa forma, verifica-se como as contas se relacionaram com o lucro ou prejuízo do exercício ao comparar a evolução que ocorreu entre as receitas e despesas.

Portanto, ela permite o detalhamento dos valores e percentuais de cada grupo quando comprados a um valor-base e de certa data. Esse valor-base é o qual se conhece por total da receita líquida.

Para encontrar o valor da Análise Vertical, a fórmula é: receita da linha analisada ÷ receita total x 100 = Análise Vertical.

Como fazer a Demonstração do Resultado do Exercício?

Para fazer a DRE, é preciso seguir uma estrutura já que há inúmeras contas e valores diferentes nesse relatório. Por isso, o primeiro passo a se considerar é a organização e categorização dos valores para que eles sejam contabilizados de modo prático e ordenado.

Assim, a DRE pode ser feita em uma planilha que auxiliará na estrutura. E as contas precisarão se inserir dentro de três categorias:

  • Operação: É o equivalente a fonte de renda da empresa;
  • Vendas: São os investimentos que impulsionam as vendas;
  • Gestão: Os sócios e parceiros da companhia disponibilizam gastos e ganhos, e a gestão diz respeito a essa conta.

O que é o cálculo DRE?

A DRE sempre apresentará informações completas para a saúde financeira da empresa que são essenciais para a gestão contábil. No entanto, há cálculos essenciais para os gestores:

  • Receita de vendas;
  • Impostos e deduções;
  • Receita líquida;
  • Custo de venda;
  • Lucro Bruto;
  • Lucro Operacional;
  • Despesas;
  • IRPJ e CSLL;
  • Receitas e Despesas financeiras;
  • Receitas e Despesas não operacionais;
  • Resultado do exercício.

Qual a importância de uma DRE?

A DRE é um documento fundamental para a contabilidade das empresas, seja por sua obrigatoriedade legal ou pelos dados que apresenta.

Assim, esse relatório mostra as demonstrações financeiras da companhia que são essenciais para formar o lucro ou prejuízo do exercício. E, com essas informações, a empresa avalia sua capacidade e sua situação para conseguir tomar decisões. Por isso, a Demonstração do Resultado do Exercício é um dos relatórios contábeis com mais importância.

Qual é o cálculo do IR e CSLL na DRE?

As empresas que seguem o regime tributário de Lucro Real precisam considerar a DRE porque para elas esse relatório é fundamental. Afinal, é pela DRE que a companhia saberá o quanto deverá pagar de IR no ano.

Além disso, a Contribuição Social sobre o Lucro Líquido (CSLL) é um imposto que precisa aparecer na DRE. Para pessoas jurídicas, a alíquota é de 9% e para instituições financeiras, 15%. E seu cálculo precisa acontecer de acordo com o regime tributário da empresa.

Como fazer DRE MEI?

Segundo a legislação, todas as empresas têm que elaborar o DRE, inclusive aquelas que se enquadram no Simples Nacional. No entanto, as empresas do MEI não têm obrigação em elaborar e fazer o DRE.

Como fazer a DRE de uma empresa

Como fazer a DRE de uma empresa?

Para realizar a DRE de uma empresa, algumas informações precisam constar nesse relatório. Assim, é essencial que os valores de receita bruta de vendas e serviços, suas deduções e impostos estejam presentes.

Assim como o valor da receita líquida do período menos os custos de mercadorias e serviços, e isso para encontrar o resultado operacional bruto. Desse valor, também se subtrai despesas e acrescenta receitas para encontrar o resultado operacional líquido.

Como fazer um DRE passo a passo?

Há alguns passos básicos e essenciais para que o contador consiga fazer um DRE. Confira:

  • Montar sua estrutura;
  • Calcular a Receita Líquida;
  • Encontrar o Resultado Bruto ao descontar as despesas operacionais e financeiras;
  • Descobrir o resultado antes do IR e do CSLL;
  • Achar o Lucro Líquido;
  • Conseguir o Resultado do Exercício.
O que é DRE e qual a sua importância para a contabilidade?

Como é a estrutura de uma DRE?

A estrutura básica de um DRE apresenta os seguintes componentes obrigatórios:

(+) Receita de Vendas

(-) Deduções e Impostos

(=) Receita Líquida

(-) Custo Variável (CPV ou CMV)

(=) Margem Bruta

(-) Despesas Variáveis

(=) Margem de Contribuição

(-) Gastos com Pessoal

(-) Despesas Operacionais

(=) EBITDA

(-) Depreciação, Amortização e Exaustão

(-) Outras Receitas e Despesas

(=) Resultado Operacional

(-) Tributos (IRPJ e CSLL)

(=) Resultado Líquido

Sempre ao final da estrutura do DRE aparecerá o Resultado Líquido, esse que aparece com a subtração dos tributos e taxas sobre o lucro bruto. Dessa forma, o resultado líquido é o valor final da empresa que mostrará e considerar os ganhos e perdas dos períodos.

É pelo resultado líquido que os gestores conseguirão tomar decisões e se orientar em relação à saúde financeira da empresa.

Como calcular as participações na DRE?

As participações, sejam de empregados e/ou de debenturistas, são deduzidas da base de cálculo do IR. Afinal, isso é autorizado pela legislação do imposto de renda.

Portanto, para fazer o DRE, uma empresa não pode negligenciar esse processo. De maneira que os gestores de uma empresa têm que buscar por ajuda especializada com conhecimento técnico e experiência na área.

O grupo CPCON atua a mais de uma década com a área de assessoria contábil no Brasil fora do país. Por ser um grupo especializado na área contábil e no auxílio com questões empresariais, como a saúde financeira de um estabelecimento, contatar o CPCON e seus serviços é uma excelente solução.

Por meio de seus serviços, o CPCON fornece o DRE para todas as empresas que desejam ajuda com esse documento obrigatório. Assim, além de cumprir uma obrigação legal, a empresa também obterá dados essenciais para sua gestão. Como, por exemplo, saber se as atividades da instituição geraram lucro ou prejuízo em um determinado período.

Dessa forma, não deixe de entrar em contato com o grupo CPCON para atingir o objetivo institucional de que sua empresa cresça e se estabeleça no mercado. Além de alcançar bons números e ser lucrativa.

5 1 vote
Avaliação do artigo
5 1 vote
Avaliação do artigo
Inscreva-se
Notifique-me
guest
0 Comentários
Feedbacks
Ver todos os comentarios
O impacto da falta de gestão de ativos no seu empreendimento
A gestão de ativos está diretamente ligada à governança corporativa e busca identificar, mensurar e controlar o ciclo de vida desses ativos nas organizações.
Informações Relevantes
Guia de Navegação
Mantenha-se atualizado
Torne-se PRIME

Se inscreva gratuitamente para ler nossos artigos, dicas e conteúdos exclusivos com prioridade.

Em destaque
Posts Relacionados