Ajuste a valor presente (AVP) O que é, como calcular e o CPC 12

ajuste a valor presente - AVP
O ajuste a valor presente é um cálculo que demonstra valores atualizados dos bens. O que é algo fundamental para a escrituração contábil.

Você sabe o que significa ajuste a valor presente ou AVP e para que ele serve? Pois, compreenda que este é um conceito importante e que está diretamente relacionado a área contábil.

De tal forma que consiste num cálculo que serve para mostrar valores atuais em bens ou em operações. Então vamos descobrir todos os detalhes relacionados ao tema neste artigo completo a respeito do assunto.

Pontos Chave

  • Ajuste a Valor Presente: É um tipo de cálculo realizado para mostrar valores atualizados dos bens e operações;
  • AVP: Sigla que simboliza o conceito de ajuste a valor presente;
  • Ajuste a Valor Justo: Um preço a ser obtido por uma venda de um certo ativo ou com pagamento numa transferência de algum passivo. Numa transação que não seja forçada entre todos os participantes deste mercado em sua data de mensuração;
  • AVJ: Sigla que simboliza o Ajuste em Valor Justo.
  • Fórmula: Valor presente = Valor futuro / (1 + taxa de desconto)^n
  • CPC 12: O pronunciamento estabelece as regras para a aplicação do ajuste a valor presente.

O que é o Ajuste a Valor Presente?

Primeiramente você deve saber que este conceito envolve um certo cálculo. Onde usa-se o resultado dele para gerar uma demonstração de valores atuais. De um bem ou de uma operação inclusa na escrituração contábil.

Com isso, entenda que o ajuste a valor presente ou AVP seria basicamente uma adaptação. Ao passo que tem como objetivo exibir para os investidores e acionistas algumas informações relevantes.

Que incluem os valores atuais dos bens e as dívidas atuais de uma determinada empresa. Por certo, saiba que isso respeita sempre a Lei 11.638/2007 que foi elaborada em 2.007.

Além disso, compreenda que também são obedecidas todas aquelas normas que foram publicadas posteriormente. Em resumo, entenda que o processo se parece bastante com as ações da bolsa.

Visto que no momento em que os preços podem não ser aqueles que são pagos durante a aquisição. Fazendo com que seja necessário realizar a aplicação do ajuste a valor presente (AVP).

Assim, entenda que é importante estar ciente de que há diferenças entre valor presente e valor justo. Já que são termos distintos e cada um deles apresenta suas próprias metas e definições.

Vale destacar que no ajuste de valor presente temos a manutenção dos valores do dinheiro sempre atualizados. E para isso são considerados diversos elementos que incluem:

  • Juros;
  • Desvalorizações das moedas;
  • Inflação;
  • Entre outros detalhes.

Com isso, na sequência do artigo vamos conhecer vários pontos importantes do ajuste a valor presente. A fim de que seja possível compreender como isso é feito e quais são os reais objetivos do processo.

CPC 12 e o Ajuste a valor presente

O CPC 12 – Ajuste a Valor Presente é um pronunciamento técnico emitido pelo Comitê de Pronunciamentos Contábeis (CPC) que estabelece os requisitos básicos a serem observados quando da apuração do ajuste a valor presente de elementos do ativo e do passivo.

A relação entre ajuste a valor presente e o CPC 12 é que o CPC 12 estabelece as regras para a aplicação do ajuste a valor presente. O pronunciamento define quais ativos e passivos devem ser ajustados a valor presente, quando o ajuste deve ser realizado, como o ajuste deve ser calculado e como os resultados do ajuste devem ser registrados nas demonstrações contábeis.

O CPC 12 estabelece que o ajuste a valor presente deve ser realizado para os seguintes ativos e passivos:

  • Ativos e passivos não monetários com vencimentos ou recebimentos futuros;
  • Ativos e passivos monetários com taxas de juros variáveis;
  • Ativos e passivos contingentes;
  • Ativos e passivos que sejam derivados de instrumentos financeiros.
AtributoAjuste a valor presenteCPC 12
ObjetivoMensurar um ativo ou passivo pelo seu valor atualEstabelecer os requisitos básicos a serem observados quando da apuração do ajuste a valor presente de elementos do ativo e do passivo
AbrangênciaAtivos e passivos não monetários com vencimentos ou recebimentos futuros; ativos e passivos monetários com taxas de juros variáveis; ativos e passivos contingentes; ativos e passivos que sejam derivados de instrumentos financeirosDefine quais ativos e passivos devem ser ajustados a valor presente
Momento da aplicaçãoMomento do reconhecimento inicial do ativo ou passivo, ou na data em que ocorrer uma mudança relevante em uma estimativa ou condição que afete o valor presente do ativo ou passivoEstabelece quando o ajuste a valor presente deve ser realizado
FórmulaValor presente = Valor futuro / (1 + taxa de desconto)^nEstabelece a fórmula para o cálculo do ajuste a valor presente
Registro contábilAjustes ao valor contábil do ativo ou passivoEstabelece como os resultados do ajuste a valor presente devem ser registrados nas demonstrações contábeis

Quando é feito o Ajuste a Valor Presente?

De acordo com a lei, saiba que este ajuste é feito nos pontos dos ativos e dos passivos. Que estejam relacionados as operações que são consideradas de longo prazo.

Já os itens adicionais que integram o balanço contábil e que são de curto prazo precisam de adaptações. Somente quando realmente ocorrer algum tipo de efeito que seja relevante.

Desse modo, entenda que é possível definir que:

  • A avaliação de bens e de dívidas sempre são ajustadas;
  • Quando as mesmas tratam de questões ao longo prazo;
  • Agora no curto prazo, isso ocorre somente se houver mudanças que sejam significativas.

De fato, compreenda que o ajuste a valor presente precisa ser corretamente observado para se adequar aos cenários. Sendo que o AVP em caso de dívidas requer o seguinte:

  • Se houver algum tipo de débito a ser renegociado;
  • Tal passivo deverá ser colocado em valor presente;
  • E isso é realizado no momento da análise de seus números.

Por sua vez, saiba que o balanço contábil terá este ajuste nos dados mencionados a seguir:

  • Ativos permanentes (informações);
  • Almoxarifado;
  • Estoque;
  • Investimentos (temporários) de ouro e de ações;
  • Despesas (antecipadas), que estejam enquadradas nos resultados em exercícios (futuros);
  • Direitos e obrigações que carecem de quitação nos serviços e nos bens de uma empresa.

Vale ressaltar que existem alguns pontos a serem observados no processo que envolve o ajuste a valor presente. Uma vez que segundo as normas internacionais (contabilidade) temos:

  • Proibições a realização de descontos em valores presentes quando há valores em imposto de renda que são diferidos.

E tal proibição inclui ainda o CSLL (Contribuição Social sobre o Lucro Líquido). Onde não se pode apontar com clareza as datas em que tais valores vão ser realizados no AVP.

Diferenças entre Ajuste a Valor Presente e o Ajuste de Valor Justo

Você viu anteriormente o que vem a ser o ajuste para valor presente e qual é o objetivo dele. Dessa forma, compreenda que é fundamental conhecer também as diferenças dele para com o ajuste em valor justo.

Com isso, entenda que temos no ajuste a valor presente (AVP) uma manutenção de valor (dinheiro). A fim de que isso fique atualizado durante o tempo e considere diversas questões importantes.

Nesse sentido, entenda que temos os juros, a inflação e as desvalorizações das moedas. Enquanto que neste cálculo considera-se muitas incertezas que se enquadram nos ativos e nos passivos presente nas organizações.

Por certo, entenda que quando ocorrem entradas ou saídas em dinheiro de uma empresa, então:

  • Se houverem juros que sejam implícitos ou explícitos (embutidos);
  • Será preciso que o contador faça este ajuste através de valores presentes.

Em contraste ao ajuste a valor presente temos o ajuste a valor justo. Que permite uma negociação dos valores de um ativo. Ao passo que você consegue fazer um negócio para ajudar na quitação dos valores (passivo).

Ou seja, entenda que uma dívida seria paga através deste processo. Fazendo com que haja mais praticidade e é um método adequado para as empresas. Assim, saiba que é necessário analisar os cenários para saber quais dos dois tipos deverá ser implementado na atividade.

Entretanto, compreenda que é importante que o AVP e o ajuste em valor justo sejam corretamente acompanhados. Visto que é possível que as organizações contem com os ativos e os passivos inclusos nas suas carteiras.

Quais são os benefícios de utilizar tais métodos?

O ajuste a valor presente e o ajuste a valor justo são ótimos métodos. Já que possibilitam chegar a uma definição adequada de valores. De tal forma que ter este acompanhamento ajuda a visualizar as variações.

Sendo que os cálculos em questão (contábeis) são essenciais nas análises das compras e das vendas. Permitindo um maior grau de transparência nas informações e isso é de grande relevância.

Pois, entenda que estas práticas são capazes de atrair investidores e acionistas para as empresas. A fim de gerar maiores esclarecimentos a respeito de certos dados ao mercado.

Vale lembrar que o ajuste a valor presente (AVP) possibilita maiores oportunidades aos investidores. Afinal, compreenda que os dados corretos trazem mais confiança por estarem sempre atualizados.

Qual é a contrapartida no ajuste a valor presente?

Um detalhe importante que você deve saber é que pode acontecer uma redução de custo. De um certo ativo (adquirido) e em várias vezes (parcialmente) a um passivo.

Desse modo, saiba que um exemplo seria a compra feita em prazo considerado anormal. Ou mesmo um prazo que seja sem juros e em imóveis que não tenham explicitação dos encargos financeiros.

Além disso, o ajuste a valor presente tem contrapartida em determinados serviços. Onde os mesmos são vistos como despesas ou mesmo como uma subvenção de investimentos. Por fim, entenda que isso gera uma possibilidade de redução na receita das vendas.

Como é feito o cálculo do ajuste a valor presente?

O ajuste a valor presente é calculado utilizando-se a seguinte fórmula:

Valor presente = Valor futuro / (1 + taxa de desconto)^n

Em termos de cálculo o AVP ocorre de duas maneiras distintas e é fundamental conhecer os dois métodos de ajustes. Visto que cada um deles tem suas vantagens, nesse caso temos:

  • Venda e compra;
  • Mensal.

No primeiro (venda e compra) temos basicamente um formato que visa corrigir vários detalhes:

A fim de que haja um cálculo adequado nas compras a prazo e nas vendas tudo saia conforme o esperado. Sendo que neste método do ajuste a valor presente é possível visualizar os encargos e provisionamento de juros.

Como resultado disso, você consegue calcular as competências das entradas (títulos) e das emissões. Confira um exemplo deste AVP:

  • Título analisado: R$ 1.500.000,00;
  • Taxa: 3.5% (mês);
  • Emissão: 20/12/2016;
  • Vencimento: 18/05/2017
  • Prazo de 150 dias.

Desse modo, temos como resultado R$ 262.500,00, pois a fórmula seria:

  • R$ 1.500.000,00 * ((0,035/30) * 150).

Por sua vez, na equivalência seria R$ 1.262.959,75, já que o formato seria:

  • R$ 1.500.000 / (1 + (3,5/100)) ^ (150/30);
  • Onde, R$ 1.500.000 – 1.262.959,75 resultaria em R$ 237.040,25.

Agora o ajuste a valor presente no modo mensal há um cálculo realizado quando:

  • Se faz necessário reconhecer a receita ou as despesas financeiras;
  • Bem como as baixas dos justos e seus encargos.

Por certo, entenda que neste AVP o objetivo é atualizar tais valores que correspondem aos juros. Através do financiamento (venda) ou mesmo das compras feitas a prazo.

Um exemplos seria:

  • Competência (ativo): 12/2020;
  • Emissão: 20/12/2020;
  • Última competência (dia): 31/12/2020;
  • Valores acumulados: R$ 1.262.959,75;
  • Taxa: 3.5% (mês);
  • Prazo: 11 dias.

Assim, entenda que a fórmula de cálculo consiste em:

  • (1+(3.5/100)) ^ ((150-11)/30) = 1,172799%.

Como resultado temos:

  • Normal: R$ 19.250,05;
  • Equivalência: R$ 16.031,69.

Conclusão

O ajuste a valor presente é fundamental nas empresas e consegue corrigir e manter o dinheiro atualizado. De tal forma que isso engloba os ativos e passivos, para que fiquem com seus valores corretos.

Com isso, entenda que no artigo foram mostrados diversos dados e informações a respeito do conceito. E também os métodos que podem ser aplicados para efetuar os cálculos necessários. Sem dúvida, contar com o AVP é importante e consegue corrigir diversas imprecisões.

FAQ: Perguntas Frequentes

O que é valor presente ajustado?

O valor presente ajustado (AVP) é um método aplicado para gerar a manutenção do dinheiro. Desse modo, faz com que os ativos e passivos estejam sempre com seus valores atualizados.

O que é valor presente na contabilidade?

O valor presente pode ser exemplificado por uma estimativa de valores correntes de ativos, passivos e dívidas. Onde se torna capaz de fazer uma representação adequada dos bens em um balanço patrimonial.

Qual a diferença entre ajuste a valor presente e valor justo?

O valor presente é relacionado a taxa dos juros (intrínseca) no contrato e considera data (origem) e tais condições. Enquanto que o valor justo tem certas alterações no decorrer do tempo. Mediante as condições e cenários presentes no mercado.

Qual a taxa de juros a considerar para AVP?

De acordo com o Pronunciamento Técnico CPC 12 – Ajuste a Valor Presente, a taxa de juros a ser considerada para o AVP deve ser a taxa de juros que reflete o custo do capital ou o retorno esperado para o investimento, levando-se em consideração a natureza, o prazo e os riscos relacionados à transação.

Em geral, a taxa de juros a ser utilizada é a taxa de mercado para operações semelhantes, praticada entre partes conhecedoras do negócio, que tenham a intenção de efetuar a transação e em condições usuais de mercado.

No entanto, em alguns casos, pode ser necessário utilizar uma taxa de juros diferente da taxa de mercado. Por exemplo, se a transação envolver um risco específico, a taxa de juros a ser utilizada deve refletir esse risco.

A seguir, são apresentados alguns exemplos de taxas de juros que podem ser utilizadas para o AVP:

– Taxa de juros de mercado para operações semelhantes;
– Taxa de juros implícita na transação;
– Taxa de juros de custo do capital da empresa;
– Taxa de juros de retorno esperado para o investimento.

A escolha da taxa de juros a ser utilizada para o AVP é uma decisão importante que deve ser tomada com base nas características específicas da transação.

Aqui estão alguns exemplos de como a taxa de juros pode afetar o valor presente de um fluxo de caixa futuro:

Se a taxa de juros for alta, o valor presente será menor;
Se a taxa de juros for baixa, o valor presente será maior;
Se a taxa de juros for constante, o valor presente será linearmente relacionado ao valor futuro;
Se a taxa de juros for variável, o valor presente será não linearmente relacionado ao valor futuro.

Posso usar a CDI como taxa de Juros referencial?

Sim, você pode usar a Taxa de Juros Referencial (CDI) como taxa de desconto para o AVP, desde que atenda às seguintes condições:

Seja compatível com a transação: A CDI é uma taxa de juros de curto prazo, geralmente usada para empréstimos de até um ano. Portanto, ela só é apropriada para transações com fluxos de caixa de curto prazo. Se a transação tiver fluxos de caixa de longo prazo, a CDI pode não ser a taxa de desconto mais adequada.
Reflita o custo do capital ou o retorno esperado: A CDI é a taxa de juros definida pelo Comitê de Política Monetária (Copom) do Banco Central do Brasil. Ela não necessariamente reflete o custo do capital específico da empresa que está realizando o AVP. Portanto, é importante avaliar se a CDI reflete o custo real do capital ou o retorno esperado para o investimento relacionado à transação.
Seja ajustada se necessário: Em alguns casos, pode ser necessário ajustar a CDI para torná-la mais compatível com a transação. Por exemplo, se a transação envolve um risco específico, a taxa de desconto deve refletir esse risco. Nesse caso, você pode adicionar um prêmio de risco à CDI para obter uma taxa de desconto mais apropriada.

Aqui estão alguns pontos a serem considerados ao usar a CDI como taxa de desconto para o AVP:

Vantagens: A CDI é uma taxa de juros facilmente disponível e atualizada periodicamente. Ela também é uma taxa de juros livre de risco, o que significa que não incorpora o risco de crédito da contraparte.
Desvantagens: A CDI não reflete o custo específico do capital da empresa ou o retorno esperado para o investimento. Ela também não é apropriada para transações com fluxos de caixa de longo prazo.

Em resumo, você pode usar a CDI como taxa de desconto para o AVP, desde que atenda às condições mencionadas acima. No entanto, é importante avaliar cuidadosamente se a CDI é a taxa de desconto mais apropriada para a transação específica. Em alguns casos, pode ser necessário usar uma taxa de desconto diferente da CDI.

5 2 votes
Avaliação do artigo
Subscribe
Notify of
guest
4 Comentários
Oldest
Newest Most Voted
Inline Feedbacks
View all comments
Você quer um inventario mais eficiente?
Beneficie-se com o rastreio em tempo real, redução significativa de perdas e um aumento notável na velocidade dos processos de gestão de ativos e estoques.
Sobre o Grupo CPCON
No Grupo CPCON, você encontra soluções especializadas em gestão de ativos e estoques, com ênfase na tecnologia RFID, para otimizar e agilizar seus processos. Oferecemos serviços como inventário de ativos, gestão de ativos de TI, consultoria imobiliária, reconciliação fiscal-física e automação com RFID. Além disso, temos gestão de estoque, serviços de avaliação, soluções ágeis, software e consultorias variadas. Nossa vasta experiência, incluindo trabalhos com clientes renomados como Caixa Econômica, Vale e Petrobras, reforça nosso compromisso com ética e proteção de dados.
Guias
Soluções
Cansado de erros e imprecisões na Gestão de Seus Ativos e Estoques?
Experimente a precisão e eficiência da tecnologia RFID do Grupo CPCON. Com rastreamento em tempo real e uma drástica redução nas perdas, acelere os processos de inventário e gestão em sua empresa. Transforme sua gestão de ativos hoje mesmo!
Em destaque

Conteúdos Relacionados a

Novidades

Conteúdo Recentes

Rolar para cima