CPC 12 – Ajuste a Valor Presente

Comitê de Pronunciamento Contábeis
O CPC 12 tem por objetivo apresentar procedimentos para cálculo do Ajuste a Valor Presente de elementos resultantes do ativo e do passivo nas elaborações das demonstrações contábeis.

Você já ouviu falar a respeito do CPC 12 Ajuste a Valor Presente e para qual finalidade ele é aplicado nas empresas? Pois, compreenda que o modelo é um tipo de cálculo para indicar os valores atualizados dos bens/operações.

Assim, você deve saber que o objetivo é mostrar os cenários reais de uma organização, ajudando na elaboração das demonstrações financeiras. Então leia o artigo e conheça todos os detalhes que regem o processo.

Pontos Chave

  • CPC 12: Norma técnica com regras, bases e diretrizes para trabalhar com o ajuste a valor presente;
  • Ajuste a Valor Presente: Um modelo de cálculo que é feito a fim de indicar os valores de forma atualizada. Isso inclui dede os bens até as operações;
  • Ajuste a Valor Justo: Preço que será obtido mediante uma venda (ativo) ou por meio de pagamento (transferência) do passivo. E o processo não poderá ser forçado pelos participantes que atuam no mercado (data da mensuração);
  • Fórmula do AVP: Valor Presente = Valor Futuro / 1 (1 + taxa do desconto)^n;
  • CPC: Órgão nacional que emite e administra as normas contábeis segundo a IASB. Sendo o Comitê de Pronunciamentos Contábeis.

O que é Ajuste a Valor Presente?

O conceito de ajuste a valor presente consiste em um cálculo que é usado na área contábil. A fim de determinar qual é o valor atualizado de algum bem ou de uma operação financeira.

Ao passo que isso é indicado no momento em que é feita a escrituração de tais itens. No caso, saiba que o AVP considera os valores em dinheiro (tempo). E ainda reconhece que certa quantia tem mais valor atualmente do que futuramente.

Com isso, entenda que o ajuste a valor presente visa trazer maior segurança e confiabilidade as demonstrações contábeis. Evitando que ocorram distorções nos resultados de uma empresa devido aos juros ou a inflação.

Já que sem o método poderia haver de forma artificial aumentado/diminuído os lucros ou os prejuízos. Dessa forma, compreenda que isso levaria a resultados ou visões distorcidas em relação a saúde das finanças de uma organização.

Além disso, entenda que ele funciona como uma espécie de adaptação e objetiva gerar dados concretos. A serem analisados pelos investidores e acionistas que carecem de tais informações.

Incluindo todos aqueles bens e também as dívidas (atuais) que uma empresa possui. Enquanto que segue a lei 11.638/2007 que começou a vigorar desde o ano de 2.007.

De fato, compreenda que o processo lembra um pouco a bolsa de valores, onde:

  • Em um certo período os preços acabam não sendo aqueles pagos durante um procedimento de aquisição;

Com isso, entenda que se faz necessário fazer uma aplicação em ajuste a valor presente.

Vale destacar que alguns elementos compõem este modelo, sendo no caso, os juros, desvalorização (moedas), a inflação, entre outros. Sendo que o AVP é utilizado nos ativos/passivos que sejam de longo prazo.

CPC 12 – Ajuste a Valor Presente

Você deve saber que para padronizar o processo existe o CPC 12 que lida justamente deste assunto. Onde o mesmo é um pronunciamento técnico elaborado e regido pelo Comitê de Pronunciamentos Contábeis (CPC).

Desse modo, saiba que o mesmo tem em sua documentação regras, bases e diretrizes. Indicando quais são os métodos de implementação do projeto e quais são as melhores práticas.

Além de mostrar os ativos e passivos que podem receber tal ajuste e quando isso deverá ser feito. Dessa maneira, entenda que o ajuste a valor presente ainda tem detalhes do cálculo e dos formatos para registrar tais dados.

Na norma CPC 12 são estabelecidos alguns critérios para a realização do processo (ativos/passivos):

  • Não monetários que tenham vencimento/recebimento futuro;
  • Monetários que detenham taxas de juros que sejam variáveis;
  • Contingentes;
  • Derivados dos instrumentos financeiros.

Por certo, saiba que o a ajuste a valor presente pode ser resumido por:

  • Objetivo: serve para mensurar ativos/passivos em valores atuais;
  • Abrangência: itens não monetários que tenham vencimentos/recebimentos no futuro. Bem como aqueles com taxas (juros) com variações. Os contingentes e os derivados através dos instrumentos financeiros;
  • Aplicação: assim que é feito o reconhecimento (inicial) de um ativo/passivo. Ou mesmo em data de ocorrência de mudanças relevantes numa estimativa/condição. Onde o valor presente deste ativo/passivo venha a ser afetado;
  • Fórmula: Valor Presente = Valor Futuro / (1 + taxa do desconto)^n;
  • Registro (contábil): são os ajustes feitos nos valores contábeis de tais itens.

Você pode conferir todos os detalhes do clicando aqui para melhor compreensão. Já que o ajuste a valor presente requer que o procedimento siga regras específicas para melhores resultados.

Quando é realizado o ajuste a valor presente?

O ajuste é realizado apenas nos ativos e nos passivos que estão atrelados as operações de longo prazo. De tal forma que as adaptações são voltadas aos itens considerados adicionais e de curto prazo (balanço contábil).

Só que para isso é necessário que ocorram alguns efeitos tidos como relevantes, tais como:

  • Avaliação (bens/dívidas) recebem ajustes;
  • Ao tratar das questões (longo prazo);
  • Em curto prazo, precisa que tenham mudanças que sejam consideradas significativas.

Dessa forma, entenda que no ajuste a valor presente temos quando ocorrem dívidas:

  • Caso haja certos débitos (renegociados);
  • Passivos que podem ser colocados (valor presente);
  • Quando ocorre a realização ao ter a análise (números).

Com isso, saiba que no balanço contábil haverá os ajustes nas seguintes informações:

  • Ativos em formato permanente;
  • Estoques;
  • Almoxarifados;
  • Investimentos;
  • Despesas de exercícios futuros (resultados) e as antecipadas;
  • Direitos/obrigações que precisam de uma quitação (serviços) e em bens (empresa).

Principais diferenças do ajuste a valor presente para com o ajuste a valor justo

Você deve saber que o ajuste a valor presente funciona como um cálculo contábil. De tal forma que o objetivo dele é definir qual o valor atual de um determinado bem ou de uma operação financeira.

Ao passo que isso acontece quanto temos uma escrituração. No caso, do ajuste a valor justo (AVJ) ele consiste numa técnica da área contábil que é voltada aos ativos e passivos.

A fim de refletir corretamente os valores (mercado) atuais dos itens em questão. Então, compreenda que não é utilizado o custo histórico dos ativos/passivos.

Visto que o mesmo usa tais preços de vendas/aquisições realizados numa transação considerada normal. Em resumo, entenda que o ajuste a valor presente tem as seguintes características:

  • Manutenção dos valores em formato de dinheiro;
  • Atualizando o processo em tempo necessário, além de considerar várias das questões mais importantes;
  • Os elementos que o compõem incluem a inflação, os juros e as desvalorizações (moedas);
  • Tendo um cálculo que agrega e considera as mais diversas incertezas a respeito dos ativos e passivos.

Enquanto que o ajuste a valor justo engloba um tipo de negociação de valores dos itens. Com isso, entenda que se torna possível realizar negócios a fim de quitar os valores.

Quais as vantagens do uso do ajuste a valor presente?

Em termos de vantagens, saiba que o ajuste a valor presente é um modelo muito efetivo. Dessa maneira, compreenda que ele traz a possibilidade de alcançar a definição correta de tais valores.

Sendo que se torna possível observar com maior clareza todas as oscilações. Por certo, saiba que todos os cálculos da área contábil são importantes para ajudar a analisar os processos de compra e de venda.

Mantendo sempre o nível elevado de transparência nos resultados e isso contribui para o surgimento de novos investidores/acionistas. Veja uma lista com outros benefícios obtidos com a implementação deste método:

  • Alta precisão (demonstrações financeiras);
  • Otimização das tomadas de decisões;
  • Comparabilidade e maior transparência;
  • Diminuição nos erros/falhas e nas fraudes;
  • Conformidade (normas da área contábil);
  • Gestão dos riscos muito mais assertiva e organizada;
  • Valor agregado para esta empresa;
  • Entre muitos outros.

Entretanto, entenda que o ajuste a valor presente pode ter uma contrapartida a depender dos cenários. Nisso, saiba que há a possibilidade de que aconteçam reduções nos custos.

Que pode ser do ativo ou mesmo de um passivo, em várias vezes ou parcialmente. Assim, compreenda que isso pode ocorrer em:

  • Compras realizadas nos prazos anormais;
  • Prazo que não tenha juros;
  • Imóveis que não mostrem os encargos financeiros.

Vale ressaltar que os serviços também podem ser tidos como despesas ou subvenção (investimentos). Assim, entenda que isso acaba sendo outra contrapartida que precisa ser muito bem analisada.

Cálculo do ajuste a valor presente

É importante que você saiba como é feito o cálculo para o ajuste a valor presente. Desse modo, compreenda que a fórmula é bastante específica e consiste em:

  • Valor (presente) = Valor (futuro) / (1 + taxa de desconto)^n.

Já os métodos para ajustes podem ser de dois tipos, sendo o de venda e compra e o mensal. Com isso, entenda que o primeiro objetiva trazer correção a certos pontos. Ao passo que incluem os estoques, ativos (imobilizados), receitas, entre outros.

Como resultado disso, compreenda que o cálculo terá adequação para compras feitas a prazo. E também naquelas vendas futuras, mostrando desde os encargos até os provisionamentos (juros).

Um exemplo do primeiro método do ajuste a valor presente seria:

  • Título: R$ 1.500.000,00;
  • Taxa: 3.5% mensal;
  • Emissão: 20/10/2020;
  • Vencimento: 10/03/2021;
  • Prazo (150 dias).

O cálculo resultaria em R$ 262.500,00 e com equivalência de R$ 1.262.959,75 utilizando as fórmulas propostas. Agora no procedimento mensal o cálculo será feito neste cenário:

  • Precisará reconhecer tais receitas e despesas;
  • Além das baixas (justos) e dos encargos.

Qual é a importância do ajuste a valor presente numa empresa?

Você precisa compreender que o ajuste a valor presente tem grande relevância para as empresas. Visto que o modelo garante maior precisão e transparência nas demonstrações financeiras.

Ao passo que isso é fundamental para todos os stakeholders (interessados). Que no caso podem ser:

  • Investidores: faz com que haja uma visão muito mais completa e objetiva dos ativos/passivos presentes numa organização;
  • Credores: permite a avaliação dos riscos (crédito), influenciando na concessão dos empréstimos/financiamentos;
  • Gestores: maior eficiência nas tomadas de decisões a respeito da gestão (ativos) e dos passivos (empresa).

Por certo, saiba que o ajuste a valor presente poderá ser aplicado em:

  • Ativos (imobilizados): equipamentos, prédios, etc;
  • Investimentos: títulos, ações, entre outros;
  • Intangíveis: patentes, licenças e as marcas;
  • Passivos: empréstimos, contas a pagar e os financiamentos.

Aliás, compreenda que existem ainda técnicas bastante comuns para fazer o cálculo do ajuste a valor presente. Nesse sentido, entenda que temos os seguintes modelos:

  • Mercado ativo: é aplicado o preço (mercado) avaliado;
  • Modelo (precificação): aqui é utilizado o método matemático que ajuda a estimar os valores dos ativos/passivos;
  • Valor (presente): é aplicado tal valor presente (fluxos de caixa) futuros de um ativo ou de um passivo.

CPC 12 e a Divulgação de Informação

CPC 12 - AJUSTE A VALOR PRESENTE

De acordo com o Pronuciamento Técnico CPC 12, devem ser prestadas informações mínimas que permitam aos usuários das demonstrações contábeis , no que tange a questão do Controle do Patrimônio, um entendimento claro das mensurações a valor presente que tenham sido levadas a efeito para ativos e passivos, que apresentem os itens explicitados logo abaixo:

  1. descrição pormenorizada do item objeto da mensuração a valor presente, natureza de seus fluxos de caixa (contratuais ou não) e, se aplicável, o seu valor de entrada cotado a mercado;
  2. modelos utilizados para cálculo de riscos e inputs dos modelos;
  3. breve descrição do método de alocação dos descontos e do procedimento adotado para acomodar mudanças de premissas da administração;
  4. propósito da mensuração a valor presente, se para reconhecimento inicial ou nova medição e motivação da administração para levar a efeito tal procedimento;
  5. outras informações consideradas relevantes.

É possível verificar na íntegra o Pronunciamento Técnico CPC 12 através do site: https://www.cpc.org.br.

Conclusão

De acordo com o artigo, temos que o ajuste a valor presente envolve um cálculo contábil. Sendo que serve para determinar com clareza os valores atuais dos bens/operações (escrituração).

E isso leva em conta também tais valores em dinheiro (tempo) e com reconhecimento da quantia. Que no caso vale bem mais no momento do que se fosse o mesmo valor no futuro.

Sem dúvida, compreenda que o modelo é fundamental, pois consegue manter a confiabilidade nos dados. Além de gerar um nível maior de transparência nas demonstrações contábeis, o que é essencial para as empresas.

Uma vez que os interessados poderão conferir os documentos para decidir se investem ou não nesta organização. Além disso, vão ter informações que não vão ser nem distorcidas nem infladas ou mesmo diminuídas.

Portanto, esteja ciente de que o CPC 12 – Ajuste a Valor Presente é uma norma completa. Onde estão todos os detalhes necessários, fazendo com que a leitura da documentação seja indicada. Bem como das outras normas CPCs que estão relacionadas com este pronunciamento.

FAQ: Perguntas Frequentes

O que vem a ser o valor presente na contabilidade?

Ele consiste numa estimativa (valores) que são correntes de tais ativos/passivos ou das dívidas. Enquanto que possibilita uma representação correta dos itens para o balanço patrimonial.

O AVP é obrigatório?

Sim. Aqui no Brasil há a obrigatoriedade do procedimento em certas empresas. Conforme a Lei de número 6.404/1976 e também do órgão CPC (Comitê de Pronunciamentos Contábeis). 

Qual a taxa de juros a se considerar no ajuste a valor presente?

A taxa (juros) a ser aplicada é aquela que tenha o reflexo do custo (capital) ou de um retorno esperado (investimento). Dessa forma, é levada em consideração tanto a natureza, quanto o prazo e possíveis riscos (transações).

0 0 votes
Avaliação do artigo
Subscribe
Notify of
guest
0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments
Você quer um inventario mais eficiente?
Beneficie-se com o rastreio em tempo real, redução significativa de perdas e um aumento notável na velocidade dos processos de gestão de ativos e estoques.
Sobre o Grupo CPCON
No Grupo CPCON, você encontra soluções especializadas em gestão de ativos e estoques, com ênfase na tecnologia RFID, para otimizar e agilizar seus processos. Oferecemos serviços como inventário de ativos, gestão de ativos de TI, consultoria imobiliária, reconciliação fiscal-física e automação com RFID. Além disso, temos gestão de estoque, serviços de avaliação, soluções ágeis, software e consultorias variadas. Nossa vasta experiência, incluindo trabalhos com clientes renomados como Caixa Econômica, Vale e Petrobras, reforça nosso compromisso com ética e proteção de dados.
Guias
Soluções
Cansado de erros e imprecisões na Gestão de Seus Ativos e Estoques?
Experimente a precisão e eficiência da tecnologia RFID do Grupo CPCON. Com rastreamento em tempo real e uma drástica redução nas perdas, acelere os processos de inventário e gestão em sua empresa. Transforme sua gestão de ativos hoje mesmo!
Em destaque

Conteúdos Relacionados a

Comitê de Pronunciamento Contábeis

CPC 02 R2 e os Efeitos das Demonstrações Contábeis

O CPC 02 tem por objetivo determinar como incluir transações em moeda estrangeira e operações no exterior nas demonstrações contábeis de uma entidade no Brasil e mostrar como converter as demonstrações contábeis de entidade no exterior para a moeda de apresentação das demonstrações contábeis no Brasil para fins de registro da equivalência patrimonial.

Continuar lendo »
ICPC 10: O que é, como funciona e interpretação - CPCON 2024

ICPC 10

Você sabe o que é o ICPC 10 e para que esta interpretação é realmente aplicada em uma empresa? Pois, compreenda que ele serve justamente para que as práticas contábeis

Continuar lendo »

A gestão de ativos além do controle físico

Com a publicação da ISO 55000 e suas atualizações ISO 55001 e ISO 55002, as empresas têm se preocupado mais com a gestão de seus ativos, inclusive buscando a certificação nestas normas, principalmente pelo reconhecimento da importância do gerenciamento adequado da base de ativo imobilizado para a operação e resultado financeiro das organizações.

Continuar lendo »
Novidades

Conteúdo Recentes

Rolar para cima