CPC 37 – Adoção Inicial das Normas Internacionais de Contabilidade (R1)

CPC 37 – Adoção Inicial das Normas Internacionais de Contabilidade
No pronunciamento CPC 37 temos a adoção das normas internacionais da contabilidade. Por isso, entender a documentação será imprescindível.

No CPC 37 temos a Adoção Inicial das Normas Internacionais de Contabilidade. A fim de criar um padrão específico com regras que possam ajudar as empresas.

Dessa forma, saiba que é fundamental entender como a documentação funciona e seus pontos principais. Então é isso que vamos falar neste artigo que trará várias informações a respeito deste pronunciamento.

Pontos Chave

  • CPC 37: É um pronunciamento que serve para ensinar as empresas a adotarem as regras das IFRSs. Dessa maneira, entenda que a documentação mostra o que fazer e quais as maneiras mais efetivas e corretas;
  • Adoção Inicial das Normas Internacionais de Contabilidade: Consiste num processo para começar o uso das normas internacionais. Ao passo que as organizações estão ainda aprendendo como isso funciona;
  • IFRS 1: É a norma internacional que foi traduzida dando origem justamente ao CPC 37. Assim, entenda que o documento tem todos os pontos e diretrizes para a realização desta atividade.

O que é o CPC 37?

Você deve saber que diversas empresas nacionais se vem obrigadas a adotar as normas de contabilidade (internacionais). De tal forma que isso é necessário conforme as especificações feitas pelos órgãos que regulam a contabilidade no país.

Com isso, compreenda que o CPC 37 foi elaborado para tratar justamente destas questões. Onde temos a Adoção Inicial das Normas Internacionais de Contabilidade e todas as diretrizes e bases.

Como resultado, entenda que o objetivo principal é que as primeiras demonstrações (contábeis) sejam compreendidas. Ao passo que as empresas possam apresentar tais documentos com eficiência e de forma correta.

Visto que o público interessado nisso precisa estar ciente quanto a esses dados fundamentais. Outro ponto essencial que você deve saber é que isso precisa seguir todas as Normas Internacionais da categoria (contabilidade).

De tal forma que o CPC 37 visa garantir uma maior qualidade na implementação de tais exigências. Fazendo com que todos os países possam ter o mesmo padrão e que as práticas sejam similares.

Por certo, entenda que no pronunciamento em questão há a indicação de que essa adoção iniciou-se em 2.010. Sendo que o órgão internacional IASB (International Financial Reporting Standards) é quem rege o processo.

Enquanto que o CPC 37é a tradução com essas regras para serem implementadas nas empresas nacionais. Vale ressaltar que tal pronunciamento (técnico) precisará ter aplicação assim que as empresas adotem as IFRSs.

Revisões do CPC 37

Nas revisões do CPC 37 – Adoção Inicial das Normas Internacionais de Contabilidade temos alguns pontos importantes. Visto que houveram algumas mudanças que geraram um nova documentação.

De tal maneira que o arquivo mais recente se encontra no formato de CPC 37 (R1). Onde o mesmo tem todas as regras, diretrizes, bases e métodos de implementação.

Enquanto que a aprovação deste documento foi feita em 05 de Novembro do ano de 2.010. Já a data da divulgação foi realizada no dia 02 de Dezembro nesse mesmo ano (2.010).

Decerto, compreenda que o CPC 37 visa a adoção completa e efetiva das IFRSs. Você pode ler todos os detalhes do documento através deste que conta com o arquivo completo.

Aplicações do pronunciamento CPC 37

Você precisa saber que ao iniciar este processo será preciso que haja um auxílio específico. Nisso, saiba que o CPC 37 determina que haja o cumprimento de alguns requisitos no balanço patrimonial:

  • Faça o reconhecimento dos ativos e dos passivos que tenham requerimento por parte das IFRS;
  • Entretanto, compreenda que se houver vedação através das IFRSs então os ativos/passivos não recebem reconhecimento;
  • Reconheça tais itens (reconhecidos) mediante um acordo de conjunto das políticas contábeis. Que se seguia em formato de ativo, passivo ou de um componente em patrimônio líquido;
  • Aplica-se essas IFRSs em mensuração nos  ativos e passivos (reconhecidos).

Além disso, entenda que no CPC 37 tem no pronunciamento outros detalhes na aplicação que são:

  • O pronunciamento visa conceder (isenções) limitadas nestes requisitos nas áreas (específicas);
  • Onde tal custo para cumpri-los será provável excedente e benefícios para os usuários nas demonstrações contábeis;
  • Contudo, saiba que é proibido esta aplicação de forma retrospectiva nas IFRSs em certas áreas;
  • Basicamente onde acontece essa aplicação de modo retrospectivo exigindo os julgamentos para administrações;
  • Nas condições (passadas) logo após os resultados nas operações (específicas) se tornarem conhecidos.

Aliás, saiba que no CPC 37 temos o requerimento das divulgações para explicarem:

  • Uma transição nas políticas (contábeis) com segmento das IFRSs;
  • Que impactaram na posição financeira do balanço patrimonial;
  • Com o desempenho (financeiro), tanto em resultado convencional ou abrangente;
  • E também os próprios fluxos de caixa (entidade).

Vale ressaltar que você deve lembrar-se que para uma implementação efetiva é preciso adotar todas as IFRSs. De tal forma que todas as documentações das normas internacionais devem ser consideradas.

Norma Internacional relacionada ao CPC 37

Um outro detalhe essencial do CPC 37 é a norma internacional que está relacionada a ele. Desse modo, compreenda que o mesmo segue a norma IFRS 1 que é a principal de todas.

Uma vez que ela tem todos os detalhes para o início da adoção das práticas em sua empresa. Ao passo que a nomenclatura dela consiste na IFRS 1 – First-time Adoption of International Financial Reporting Standards.

Dessa forma, entenda que o documento estabelece todos os requerimentos que devem ser verificados. Pois, compreenda que as empresas que visam adotar tais práticas de forma primária carecem de seguir essas normas. Que são regidas e elaboradas corretamente pelo órgão chamada IASB.

Quais é o objetivo e o alcance deste pronunciamento?

O CPC 37 – Adoção Inicial das Normas Internacionais de Contabilidade é bastante completo. Desse modo, saiba que o objetivo principal do pronunciamento é fazer com que haja um padrão.

Onde essas demonstrações contábeis primárias da empresa estejam acordadas com as IFRSs da IASB. Confira na lista abaixo quais as informações que serão de qualidade elevada com esse processo:

  • Tenha uma maior transparência aos usuários e os comparáveis de todos esses períodos (apresentados);
  • Ter um determinado ponto (partida) que se adeque nas contabilizações segundo essas IFRSs;
  • Com o CPC 37 sejam geradas em um tipo de custo que não seja superior aos benefícios.

Em matéria de alcance, você deve saber exatamente como isso funciona. Por isso, saiba que aqui estão os principais pontos:

  • A entidade aplicará tal pronunciamento quando:
    • Nas demonstrações primárias ao adotar as IFRSs;
    • Naquelas demonstrações (intermediárias) conforme a IAS 34. Em período (coberto) nas suas primeiras (demonstrações) contábeis através das IFRSs.
  • O CPC 37 indica que essas demonstrações (contábeis) primárias nas IFRSs são anuais;
  • Onde temos os seguintes pontos a serem considerados (entidade):
    • Segundo tais requerimentos (societários) que não sendo consistentes as IFRSs nos seus aspectos;
    • De acordo com as IFRS, exceto de que não haja uma declaração explícita. Além de ser sem as ressalvas acordadas mediante as IFRS;
    • Tendo uma declaração (explícita) em conformidade somente com determinadas IFRSs;
    • Quando em acordo nas exigências (nacionais) e em inconsistência com tais IFRSs. Usa-se de modo isoladamente em algum das normas internacionais. A fim de contabilizar (itens) aos quais não há exigências (nacionais) bastante específicas;
    • Conforme tais exigências nacionais e conciliando certos valores relacionados aos acordos nas IFRSs.

Balanço Patrimonial no CPC 37

O CPC 37 indica que a empresa terá que elaborar e fazer a apresentação do balanço patrimonial. Dessa forma, compreenda que deve-se seguir corretamente os padrões estabelecidos nas IFRSs.

Em data (transição) em tais IFRSs, sendo o marco (inicial) para a contabilidade seguindo conforme estas normas internacionais. Por certo, compreenda que nas políticas contábeis temos:

  • Deve-se utilizar as mesmas políticas (contábeis) na apresentação do balanço patrimonial. Na abertura das IFRSs e também a todos os períodos apresentados nessas demonstrações primárias;
  • Saiba que a empresa não deverá fazer a aplicação de diversas versões das IFRSs (vigentes);
  • Por certo, entenda que só é permitida uma IFRS nova no momento que a própria IFRS possibilita isso;
  • Conforme o que consta em item 8 temos que esta aplicação (antecipada) em nova IFRS se mostra condicionada de que o CPC admitiu essa nova norma IFRS.

Dessa forma, saiba que é importante analisar todo o documento do CPC 37. Já que o mesmo é bem extenso devido ao fato de ser um manual para a inserção das práticas nas empresas.

Em resumo, você deve saber que o pronunciamento basicamente pretende:

  • Ser aplicado nas demonstrações contábeis iniciais usando as IFRSs (normas);
  • Cobrindo todas as demonstrações (intermediárias) com emissão através desta empresa;
  • A fim de realizar o período que é coberto nesta tarefa;
  • Vale dizer que essas demonstrações são anuais e devem seguir totalmente as normas IFRSs propostas.

Perguntas (FAQs)

Qual o objetivo do CPC 37?

Resposta: O CPC 37 consiste num determinado pronunciamento (técnico) criado para gerar um padrão contábil. Dessa forma, compreenda que o mesmo direciona-se para a Adoção Inicial das Normas Internacionais de Contabilidade.

O que é a Adoção Inicial das Normas Internacionais de Contabilidade?

Resposta: O objetivo das normas internacionais de contabilidade é criar um padrão para os países. De tal forma que os CPCs ajudam na implementação delas e o CPC 37 é o pronunciamento principal. Que tem detalhes, regras e bases para uma correta inserção delas nas empresas.

Por que adotar normas internacionais de contabilidade?

Resposta: O grande objetivo é gerar um padrão unificado que supere todas as barreiras do setor. Desse modo, compreenda que a apresentação das demonstrações contábeis ficará muito mais efetiva.

Qual a importância da adoção das Normas Padrão Internacional de Contabilidade para o Brasil?

Resposta: Não há dúvidas de que com essas normas haverá maior probabilidade de fazer comparações nas demonstrações. Enquanto que isso traz maior transparência e garante uma maior integração. Permitindo comparar resultados e dados com quaisquer empresas do mundo.

Qual a norma relacionada ao CPC 37?

A norma internacional relacionada diretamente com o CPC 37 é a IFRS1. Que porventura é justamente a primeira das normas que explica como implementar tais regras dentro das empresas.

Conclusão

De acordo com o que vimos no pronunciamento ele direciona-se para a adoção das normas internacionais. De tal modo que este é um pequeno resumo de forma mais simples. Já que são muitas informações.

Com isso, entenda que o ideal é que você faça uma leitura completa da documentação. Visto que a mesma tem detalhes específicos e mostra como deve-se realizar tais processos. Portanto, saiba que o grande objetivo das normas é criar um padrão único nas empresas.

0 0 votes
Avaliação do artigo
Subscribe
Notify of
guest
0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments
Você quer um inventario mais eficiente?
Beneficie-se com o rastreio em tempo real, redução significativa de perdas e um aumento notável na velocidade dos processos de gestão de ativos e estoques.
Sobre o Grupo CPCON
No Grupo CPCON, você encontra soluções especializadas em gestão de ativos e estoques, com ênfase na tecnologia RFID, para otimizar e agilizar seus processos. Oferecemos serviços como inventário de ativos, gestão de ativos de TI, consultoria imobiliária, reconciliação fiscal-física e automação com RFID. Além disso, temos gestão de estoque, serviços de avaliação, soluções ágeis, software e consultorias variadas. Nossa vasta experiência, incluindo trabalhos com clientes renomados como Caixa Econômica, Vale e Petrobras, reforça nosso compromisso com ética e proteção de dados.
Guias
Soluções
Cansado de erros e imprecisões na Gestão de Seus Ativos e Estoques?
Experimente a precisão e eficiência da tecnologia RFID do Grupo CPCON. Com rastreamento em tempo real e uma drástica redução nas perdas, acelere os processos de inventário e gestão em sua empresa. Transforme sua gestão de ativos hoje mesmo!
Em destaque

Conteúdos Relacionados a

A gestão de ativos além do controle físico

Com a publicação da ISO 55000 e suas atualizações ISO 55001 e ISO 55002, as empresas têm se preocupado mais com a gestão de seus ativos, inclusive buscando a certificação nestas normas, principalmente pelo reconhecimento da importância do gerenciamento adequado da base de ativo imobilizado para a operação e resultado financeiro das organizações.

Continuar lendo »
Comitê de Pronunciamento Contábeis

CPC 04 e o Ativo Intangível

O objetivo do presente Pronunciamento Técnico é o de definir o tratamento contábil dos ativos intangíveis que não são abrangidos especificamente em outro Pronunciamento e estabelecer que uma entidade deve reconhecer um ativo intangível apenas se determinados critérios especificados nesse Pronunciamento forem atendidos.

Continuar lendo »
Novidades

Conteúdo Recentes

Rolar para cima