Quais são os tipos de ativos de uma empresa?

Quais são os tipos de ativos de uma empresa?

Saber os tipos de ativos da empresa é essencial para uma boa administração da contabilidade, por exemplo, para o entendimento do seu balanço financeiro, além da geração de caixa e lucro. Eles podem ser monitorados por meio de um inventário proporcionando, assim que a empresa faça a sua Avaliação Patrimonial. Confira informações sobre a Gestão de Ativos em 2021 e saiba mais sobre os tipos de ativos.

O que faz parte do ativo?

Ativos da empresa são, basicamente, os seus bens e direitos que podem ser transformados em meios monetários e ganhos de forma proporcional. Logo, fazem parte do ativo os valores que ela possui em seu caixa, conta bancária, aplicações, quantias que ainda receberá de clientes, estoques, máquinas e equipamentos, entre outros.

Quais são os tipos de ativos de uma empresa?

Ativo circulante

Os ativos da empresa circulante têm maior liquidez, por isso, eles podem ser convertidos em dinheiro de modo mais rápido. Os circulantes podem também ser chamados de capital de giro. Do ponto de vista da contabilidade, empresas com maior fluxo e geração de caixa têm maior possibilidade de honrar prazos. Assim como maiores chances de aumentar os seus recursos financeiros, por meio da geração de novos.

Há certos aspectos que o ativo circulante precisa se enquadrar para ser considerado assim. A conversão em meio monetário deve ser feita em, no máximo, doze meses depois da data do balanço financeiro ou ao longo do ciclo operacional da empresa. Além disso, precisa ter como propósito ser negociado e ser caixa ou equivalente.

Alguns exemplos de ativos da empresa circulantes são: dinheiro em caixa, conta movimento em banco, aplicações financeiras, contas a receber, estoques, produtos inacabados, despesas antecipadas, reservas de caixa, depósito bancário à vista, mercadorias, matérias-primas, títulos a receber e investimentos de curto prazo.​

1. Ativo circulante operacional

Uma conta desse tipo é o estoque. Ou seja, o ativo circulante operacional está ligado às etapas operacionais da empresa, desempenhando um papel essencial para o funcionamento da empresa e sua contabilidade.

2. Ativo circulante líquido

O ativo circulante líquido são os recursos conquistados em determinado período, contabilizados a partir das atividades ou das aplicações financeiras da empresa. Esse é o caso de títulos públicos e ações.

3. Ativo circulante cíclico

Já o ativo circulante cíclico é aquilo considerado rotina na empresa e, consequentemente, acaba relacionado ao seu funcionamento. Esse tipo de ativo circulante está dividido em categorias. A primeira delas é a “disponibilidade”, que é o dinheiro em conta que pode ser usado em qualquer momento e é o ativo com maior liquidez. A sua conta é, por exemplo, depósitos à vista e conta corrente.

Outra categoria é o “crédito”, esses são os ganhos da empresa que podem ser acessados de maneira imediata, como duplicatas, títulos e juros a receber. Por fim, há o “estoque”, que consiste em todos os itens que a empresa tem armazenados e estão aguardando para serem comercializados, podendo ser convertidos em vendas rapidamente a qualquer momento.

A contabilidade, em especial o inventariante, deve ficar atenta ao ativo circulante cíclico, já que falhas na análise podem ocasionar problemas financeiros à empresa. Por isso, o inventário é importante para que o balanço financeiro seja feito corretamente. Uma vez que esse tipo de ativo consiste na representação de bens e direitos de curto prazo, ele está estreitamente ligado à liquidez da empresa.

 

Ativo não circulante

Ativos da empresa não circulante têm permanência de longo prazo. Sendo assim, eles estão relacionados ao seu funcionamento normal, visto que ficam na empresa por um tempo maior que o exercício social. Por isso, a liquidez de ativos não circulante é menor, eles representam aqueles recursos que irão levar mais tempo para serem usados. Esse tipo de ativo por ser separado em categorias distintas.

 

Contas do ativo

Alguns exemplos, a longo prazo, são: aplicações financeiras, depósitos financeiros, duplicatas a receber, despesas antecipadas, empréstimos, adiantamentos ou vendas.

1. Imobilizado

O ativo imobilizado são os bens ou direitos que são permanentemente responsáveis pelo funcionamento das atividades normais da empresa, eles podem ser corpóreos ou tangíveis. O ativo imobilizado também costuma custar mais de mil reais e ter o prazo de vida útil superior a 12 meses.

Esse tipo de ativo ainda exige alguns critérios, como: ser mantido por uma organização, para uso na produção ou comercialização de mercadorias ou serviços, locação ou finalidades administrativas; ser utilizado por no mínimo doze meses; ter que gerar benefícios econômicos para a organização, e ainda, deve ser mensurável.

Enquadram-se nessa categoria: imóveis, terrenos, edificações, máquinas e equipamentos, móveis e utensílios, veículos, ferramentas, entre outros.

2. Ativo realizável a longo prazo

Os ativos desse tipo são semelhantes ao ativo circulante, no entanto, eles representam os bens e direitos da empresa que têm permanência mais longa, ficando um prazo maior que o término do exercício social.

Um ativo realizável a longo prazo, dentro da contabilidade, são as contas de direitos sem prazo de vencimento. Haja vista que, como não há determinação do seu período de vencimento, ele é considerado como de longa duração.

3. Investimentos

Quando os investimentos se enquadram na categoria do ativo não circulante, eles são classificados como participações e aplicações sócio monetárias permanentes. O seu objetivo é criar renda para empresas. Mas, para ser classificado como ativo não circulante, é preciso que eles não sejam destinados à manutenção das atividades da organização.

Alguns exemplos de investimentos são: as obras de arte, os investimentos em ouro, as propriedades para investimento, os terrenos e imóveis para uso no futuro, investimentos em coligadas, participações em outras empresas, etc.

4. Intangível

Os ativos intangíveis, ao contrário do imobilizado, não podem ser vistos ou tocados, pois não têm existência física, contudo, têm valor econômico e na contabilidade. Eles servem ou têm como finalidade a manutenção das atividades.

Para que um ativo desse tipo seja de fato reconhecido na contabilmente, os benefícios que ele gerará futuramente serão em favor da organização,e apenas se for possível mensurar o custo do ativo. Esse é o caso de softwares, fundo de comércio adquirido, marcas, patentes, direitos de exploração de serviços públicos, licenças, direitos autorais, entre outros.

 

Dica para um bom inventário dos ativos da empresa

Para cada ativo e categoria, existe um método ou frequência para um melhor controle. Consequentemente, há também tipos de inventário, aos quais o inventariante deve estar atento para maior eficiência do seu trabalho, além de evitar falhas. O inventário para empresas é uma lista de todos os bens e materiais que ela tem e estão disponíveis em estoque, guardados nas próprias instalações ou fora delas. Assim, o inventariante deve estar atento aos dois principais tipos de ativos de uma empresa: os circulantes e não circulantes, porque aqueles com maior liquidez precisam ser monitorados com maior frequência.

Ao categorizar os ativos em circulantes e não circulantes, você poderá estabelecer de quanto em quanto tempo o inventário deve ser feito. Dessa forma, o inventariante consegue organizar e otimizar melhor o seu trabalho, mantendo assim a regularidade nas atualizações. O ativo circulante tem maior liquidez, por isso deve ter o seu inventário feito em um prazo mais curto.

Além disso, existem ferramentas que ajudam na desburocratização do tratamento de ativos da empresa. Outra dica é o inventariante colocar a descrição dos itens, observando se há casos de depreciação ou inutilização, e dar baixa nos descartes, além de fazer uma auditoria dos itens cadastrados anteriormente. Dessa forma, a contabilidade da sua empresa irá fluir corretamente.

Deixe uma resposta